sábado, 26 de abril de 2014

o tempo...

O tempo...
Sempre me entristeço  porque a vida não tem todo o tempo do mundo, e tudo que me deparo parece que tem todo o tempo pra acontecer. As pessoas não entendem que o tempo que se perde com coisas pequenas esse mesmo tempo faltará no final da estrada. Hoje corro contra o tempo pra recuperar todo o tempo que já perdi, por isso sou ansiosa porque sei o valor que tem o tempo. Então por que se perde tanto tempo pra deixar acontecer? O que desejo é somente viver com qualidade de tempo.(Simone Prado)

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Trilhas

Eu queria ter a sua foto bem junto a minha, provar seus 

sabores, ouvir todos os

 dias a sua voz. Queria que o som do seu riso fosse

como paladar aguçado, seu

sorriso sedutor misturado ao meu . Queria que não

importasse as horas, que sem 

pressa pra irmos embora me pedisse pra ficar. Ficar sem

tempo cronometrado, deixar

 o tempo nos levar, levar há alguns picos, há algumas

estradas sem hora pra voltar. 

(Simone Prado)

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Opiniões alheias...RELFEXÃO por Simone Prado

Estive pensando:

...  por que nos preocupamos tanto com opiniões alheias, por que sempre queremos agradar, ser bem quistos pela sociedade e desde de jovens nos auto afirmar?
...por que essa necessidade interna que nos coloca a merce de opiniões que em determinados momentos de nossas vidas são tão importantes?
...Jesus Cristo não foi aceito por todos, não agradou a todos e veio por todos...mas aqueles que o aceitaram e aceitam são reconhecidos por Ele como filhos herdeiros. (Rom 8;17).
...por que esses pré julgamentos sobre nossa pessoa, nosso caráter, nossa índole nos afetam tanto?
...por outro lado há um lado hiper positivo de tentar nos melhorar como pessoa diante de nós mesmos...isso é construtivo...mas nos magoarmos e nos deixamos abater por opiniões alheias nos deixa doentes...passamos uma boa etapa da vida querendo agradar a outros e esquecemos de ser nós mesmos...esquecemos que somos apenas pessoas e não máquinas num mundo de regras, de etiquetas de sepulcros caiados...(Simone Prado)