quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Entre razão e coração...

Diz ser mentira que não é desse jeito,
que o coração insatisfeito se saciou em você,
Diz não ser verdade que o amor nasceu de verdade,
onde não devia florescer.
Eu ainda avisei, mas você não quis me escutar,.
quando eu disse que não devia me olhar.
Eu ainda lutei, quando naquele dia eu chorei
quando na primeira despedida você comigo também chorou.
Nunca entendi o que foi que aconteceu, ainda não sabia ser isso o amor.
Tentamos fugir tantas vezes de não seguir o coração,
como adultos, tentamos escutar a razão.
Mas a razão tantas vezes foi papo furado que não convenceu o interior,
fugíamos quando queríamos nos perder de desejo,
embriagando entre nossos beijos e foi o que rolou.
Agora, mais uma vez tentamos ir embora sem a minima vontade de partir.
eu só queria deixar meu coração me conduzir.
Fico a esperar que você por um momento mande a razão sumir,
e viver o que nunca planejamos conseguir.
Eu encontrei o amor, no jardim árido da minha vida,
num solo desgastado em meio as feridas que um dia abandonei.
Olha amor, a semente que você deixou floresceu,
Agora não sei se é a ROSA OU SE SOU EU.
(SIMONE PRADO)


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

VOLTE SEM DEMORA

Se você soubesse a falta que me faz viria correndo sem demora,
acalmaria as lágrimas de quem chora e nunca mais fosse embora.
Será, que como eu, sente tanta falta de nós dois?
 Num descompassado batimento ritmado de emoção.
A sua voz dizendo que ME AMA,
do seu olhar no rolar de uma cama,
querendo a mim se entregar.Sente falta dos nossos beijos e do barulho em nosso peito?

Palavras que não são necessárias na forma de tocar,
me deixando com ânsia de te querer mais presente,
sem que o adeus viesse me deixar.
Sabe aquele beijo na testa cheio de carinho?
Foi como um ninho no meu pousar,
segurança perfeita de quem só quer te amar.
(Simone Prado)

sábado, 25 de janeiro de 2014

GUERRA NÃO, apenas a luta interior...

Talvez eu não quisesse dizer o quanto sinto sua falta,
o quanto tento esquecer.
Tem dia que é tão simples e confortável me ocupar com outros pensamentos,
mas tantas vezes é tão difícil e oprimente, o aperto no peito o coração, que se espreme dentro de mim.
 A angustia transformada em tristeza da falta que me faz.
A tortura de me sentir assassina do AMOR, de repetir mil vezes que não posso sentir, que preciso esquecer...da tentativa vã de conhecer um outro alguém, mas sem a minima vontade e nem  incentivo de me apaixonar novamente. As vezes até me conformo de sozinha ficar por medo de sofrer.
Daquele sentimento que chegou tão manso, da não explicação de não conseguir entender o que aconteceu...logo comigo, me sentia experta e amadurecida pra não deixar acontecer e ter domínio sobre mim.
Não podia ter sentido nada, nem ter me aproximado,Como fui ser frágil assim?
O tempo tem passado, quantas vezes o ADEUS foi ensaiado, as tentativas de se apartar...e a certeza de não poder se arriscar.
Na altura da vida, melhor seria ficar como está, na comodidade de não ter que lutar...um soldado experiente sabe que não há guerra em algumas situações, é melhor deserdar sem argumentos de luta
 NÃO desistir, mas  entender que não HÁ LUTA  maior do que a luta interior. (Simone Prado)



terça-feira, 21 de janeiro de 2014

AMOR MADURO

Encontrei o amor onde nunca imaginava estar, nos gestos bruscos de quem não sabia pedir perdão, nos braços que mal sabiam abraçar, na boca que não sabia dizer palavras tão bonitas e  onde menos esperei, ali o amor encontrei e me perdi de amor....

Lembro do seu sorriso, do olhar inocente como menino num corpo maduro. Da Inocência que muitas vezes não teve intenção de machucar. Quantas vezes foi tão duro, tão rústico nas atitudes e me fez sofrer, mas eu sempre perdoava porque não entendia o por quê.


Hoje ainda lembro desse amor que deixou marcas, deixou semente e floresceu. Deixou presente que saiu de dentro de mim, na mistura genética dos nossos frutos.

 Como esquecer um amor assim? 
Que sobreviveu em meio a dor, em meio a saudade, em meio  a cumplicidade...(Simone Prado)


sábado, 18 de janeiro de 2014

Te procurei....

...entre a lua e as estrelas e você não estava lá...
...te procurei no céu entre os pássaros e não o vi voar...
...te procurei entre as flores do meu jardim...
...entre as cores, entre o perfume....lá também não te encontrei...
...te procurei no sol e não senti seu calor...
...e continuei a andar, procurando em cada olhar...
...talvez desapercebida não tivesse te visto passar entre a multidão...
...andei e andei...você não estava  lá...
...te procurei nas lembranças...nos sonhos...
...te procurei nas minhas lágrimas...
...te procurei em meio a poesia, nas palavras escritas e desenhadas...nas entrelinhas...
...andei....andei....não te encontrei...
...te procurei na essência...nos desejos inacabados....
...te procurei no mar...no vazio de minha alma....
...encontrei apenas a saudade zombando de mim...
...me senti humilhada dela sorrir assim...
...caminhei cabisbaixa em meio a solidão...
...não consegui levantar meus olhos...
...eu só fitava o chão.
...sem você sou perdida na imensidão...
...um  coração pela metade...em busca do NÃO...
...e me lembrei da " garota em chamas"...
....em meio as loucuras de amor...e meu coração se apertou... e chorei...
...porque te busquei e não te encontrei...
(Simone Prado)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Decisões

Há momentos na vida que precisamos escolher,
nos surpreender,
nos renovar.
Deixar o que nos causa dor e recomeçar,
ainda que o desapego seja algo dificil,
o deixar ir para o novo entrar é preciso.
Que decisão tomar?
Deus nos dá livramentos e nos conduz há lugares altos.
é preciso saber confiar.
Os planos do Senhor são perfeitos na nossa vida,
é preciso deixá-lo trabalhar.
Ainda que muitas vezes não entendamos,
nem mesmo aceitamos, mas é preciso mudar .
(Simone Prado )


domingo, 12 de janeiro de 2014

No seu leito ...

Te vesti como uma roupa que adere ao corpo,
que aquece nos dias frios e refrigera no calor.
te vesti como uma segunda pele que me acaricia.

Você mudou meu mundo tão pequenino,
sem graça, me fez sentir o gosto do desejo,
do amor puro, do ensejo.

Mas no momento, nesse leito onde está, não posso sua mão segurar,
nem ser meu rosto a ver ao acordar, nem meus olhos fitar,
nem meu beijo sentir, lhe dando boas vindas por ao mundo sorrir.
Distante, sem poder escolher, se estar ao seu lado era tudo que eu desejei,
e a unica coisa que fiz foi sentar e orar, deixando minhas lágrimas minha face molhar.

Eu não escolhi te amar assim, não foi minha intenção em seu mundo penetrar,
foi sem querer. Não! Eu não queria sofrer!
Como é triste ter que deixar esse amor morrer dentro de mim,
e pedir a Deus que não faça assim esse sentir.
Por que foi germinar essa semente no meio de pedregais,
onde não tinha chances desse amor viver?.
Por que eu fui amar você.?
(Simone Prado)