domingo, 6 de julho de 2014

MARES DE ILUSÕES...por Simone Prado


Já passei por mares de ilusões
já acreditei em palavras falsas
já fiz papel de tola,
quantas vezes...e quantas vezes mais...
Hoje já não me envergonho de acreditar em gente que se diz inocente,
mas as vezes me envergonho de também ser gente diante de algumas atrocidades humanas.
A decepção já não me abala, talvez me neutralize nas profundezas de minha alma cansada.
Sinto que há tempo pra tantas coisas, porém pra muitas já não há mais tempo...
já não tenho grandes sonhos, me tornei um sonho andante...
as vezes meio ambulante perdida em minhas emoções.
Sou somente um verbo ou um ponto em meio há tantas frases desconexas DA  MINHA VIDA.
Fui alma ferida num vale errante que gemia em meio há sorrisos desconsertantes.
Não sou mais como antes, nem acho em mim a menina sonhadora que pensava ter asas, que queria voar,
hoje de asas cortadas podadas em grandes saltos, esfareladas em quedas repentinas,
 não encontro mais a  menina. Tornei-me adulta demais, das brincadeiras já não me lembro, nem das cirandas e nem das cantigas, apagou-se etapas da minha vida no mar das ilusões.  (Simone Prado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário