sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Crueldade

Que crueldade a solidão,
sem um ombro pra chorar ou uma mão pra segurar.
Sem alguém pra ouvir ou apenas abraçar.
Coração vazio e pequenino,
abandonado e jogado as traças,
fazendo um papel de menina inquieta,
muitas vezes olho e em nada acho graça.
As vezes queria um ombro pra recostar,
sem me preocupar se estou a agradar,
ser simplesmente eu sem disfarçar.
Chorar quando sentir vontade, 
ou somente se calar.
Mas ter um olhar pra se ver,
um carinho por merecer,
ficando a fitar.
As vezes a solidão asfixia,
parece estrangular o peito,
mas no outro dia olho adiante,
me ponho de  pé e vou avante.
(Simone Prado)



domingo, 25 de agosto de 2013

Rota da vida




Eu queria dizer tantas coisas,
mas o medo me aprisiona,
palavras tem impacto e podem arrebentar,
coisa estranha é falar sobre amar.

Penso em falar da dor da saudade,
que pulsa a machucar,
mas nessa dor latente,
tenho medo de adentrar.

Fico na esperança que possa esquecer,
dos momentos vividos,
entre eu e você.
Olho e não consigo enxergar,
o STOP que deveria parar,
vejo destorcido um SIGA,
no semáforo da nossa vida.
Coisa doida essa minha visão,
olho com os olhos mas vejo com o coração.

Quem sabe um dia nessa encruzilhada,
eu tome outra decisão,
seguindo adiante,
 mudando a direção.
Só sei que paisagem que fica é passado,
e o que está na frente causa minha aflição,
se é vegetação seca,
ou se é terra verdejante que me traga de uma simples viajante,
uma mulher cheia de PAIXÃO.
(Simone Prado)

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

momentos...



Eu queria seu abraço, sua voz nos meus ouvidos,
queria que sussurrasse palavras bem baixinho,
num tom bem intimo de me fazer mulher.
É dificil sufocar a vontade de estar perto,
de querer pertencer e ao mesmo tempo  ter que esquecer.
Olho ao meu lado e sinto o vazio que me cerca,
sinto falta do carinho, da loucura de desejo.
Abaixo meu olhar, vejo os anos se chegarem e com eles muitas vezes vou me arrastando,
esperando que no outro dia seja diferente,
que algum fato venha mudar minha história,
que o sorriso volte em meus lábios,
que o brilho volte aos meus olhos.
O querer coisas tão simples mas que na simplicidade se tornam tão fora de minha realidade,
olho e não vejo as verdades que um dia acreditei, fecho meus olhos e recomeço outra vez....e outra vez...e outra vez...
(Simone Prado)



terça-feira, 20 de agosto de 2013

TERRAS DOS VIVENTES

Sabe uma sensação estranha
o estar junto mas não estar?
Ser estrangeiro na Terra dos Viventes.
É como falar outro idioma,
ser diferente ou sem palavras,
ou nem mesmo gente.
Como se palavras não fizessem sentido,
como a passagem fosse apenas um dos motivos,
 o de estar presente mesmo ausente em qualquer lugar.
Ser sobrevivente talvez faça algum sentido,
quantas vezes nem mesmo um motivo para esse sentir.
São apenas momentos passados embora repassados
no meu caminhar.
Se o sol não raiar e seus raios não aquecerem o inverno do meu peito,
ainda assim serei como alienigena por dentro.
Nesse auto conhecimeto em determinados momentos,
nessa busca de mim. (Simone Prado)


domingo, 18 de agosto de 2013

RENOVAÇÃO

É preciso muitas vezes dizer NÃO,
para se olhar adiante e levantar a cabeça do chão.
É preciso renovar as forças,
traçar novas metas,
viver realidades do que não se pode ser ou possuir.
é preciso muitas vezes até desistir de algumas coisas e caminhos,
mas nunca deixar os principios que nos conduzam em outra direção.
Quantas vezes me perdi dentro de mim,
e quantas vezes me reencontrei...
quantas vezes me desarmei e quantas outras pensei em desistir.
Quantas vezes do fundo do poço pensei não ter saida,
quantas vezes deixei de respirar minha vida.
Mas já perdi a conta de tantas que me coloquei de pé,
não por mera força ou por ser apenas uma mulher,
mas de todas as vezes que recomeço e olho pra frente,
sei que tenho um Deus que vai adiante.
(Simone Prado)

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Sem palavras....

Há muito já deixei de palavras,
já não espero quase nada,
apenas o que se pode colher.
Já não sei o que sentir e nem como viver.

Há muito tempo os sonhos já se passaram,
o sorriso já se apagou,
já não sei mais falar de amor.
Há muito ele veio como dor.

Não falo de amor fraternal,
falo do amor entre homem e mulher,
falo do que se perdeu,
talvez num lugar qualquer,
nos desvios dos atalhos da vida,
naqueles que se entra quase sem querer,
muitas vezes sem nem perceber.

Já não sei falar do amor,
hoje somos quase estranhos,
já nem sei detectar,
se é mera paixão,
ou se estou a amar.

Hoje já não sei nada,
sem palavras pra dizer,
se é realidade, ou meias verdades,
Quem poderá dizer?
(Simone Prado)


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Alma vazia


Eu queria desistir do amor,
que não houvesse em mim a esperança
de um alguém a me completar,
queria desistir de amar.

Queria viver sem planos,
sem me machucar,
sem esperar nada,
de achar a tal metade.
Ah! Eu queria não mais acreditar.

Sempre estou a esperar,
que algo chegue e me desperte,
como acreditei que esse sonho viveria novamente.
Mas agora é como um Vazio de minha alma.
Frustrada e cansada ,
de tanto que aprendi a perder.

Vai minha alma a caminhar,
andando em ruas vazias,
sem o amor encontar.
Mas até isso é irreal,
de uma natureza profunda,
me lancei em águas profundas
para  acordar, sou amor na essencia,
ainda que caminhe solitária,
sempre esperarei amar.
(Simone Prado)

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Onde está???????

Onde está o que eu conheci?
Onde está o sempre presente, interligado, conectado, ligado....????
Onde está aquele que me buscava, que era como a me chamar a atenção,
ou queria apenas despertar meu pobre coração?
Onde está o  de palavrinhas doces e melosas,
que parecia estar sempre presente pra me oferecer um ombro amigo, um beijo,
ou uma amizade sincera...ou um sorriso????
Onde está o Homem atraido, querendo ser querido, a minha espera?
Onde está o  que me despertou,
que quis meu sentimento, meu pensamento,  e minha atenção?
Será que cansou da minha face, da minha tristeza ou minha alegria,
ou o despertar  da minha paixão?
Onde está o  que despertou  a minha emoção?

Hoje busco e já não está,  procuro sem achar, já não é ouvidos,
nem muitos sorrisos ao me encontrar?
Será que me tornei um peso, uma pedra no sapato, um cisco no olho ou não tem mais nada pra falar?
Me sinto sozinha, as vezes tão pequenina e sei não posso nada cobrar....mas aquele que conheci talvez esteja perdido por ai, me comunique se acaso você encontar....
(SIMONE PRADO)





sexta-feira, 2 de agosto de 2013

LUTO

Vou tentando sufocar o que há dentro do peito, dizendo baixinho que vai passar. Talvez meu coração pequenino entenda que não adianta sofrer ....que com o tempo os bons ventos levem a dor e traga de volta coisas boas.

Talvez nunca possa entender minha forma de ver, levantando a cabeça e dizendo estar TUDO BEM quando no peito a dor parece sufocar. Com a forma dura que você me vê, achando ser sem sentido o meu sofrer.

Nao é em mim hipocrisia pois os dias que tenho vivido é como luto de uma luz que se apagou, de um sonho esperado que agora se acabou. 

Esperando de mim o sorriso estampado num baixo gemido do que um dia foi o AMOR.Emoji
(Simone Prado)