quarta-feira, 31 de julho de 2013

lembranças....

Por tempos compartilhei com você tantas horas,
tantas cores, tantos sorrisos,
quando chegava era como o sol a sorrir pra mim.
Quando sua voz soava, meu coração disparava e meus lábios se abriam em sorrisos de alegria.
Quando imaginava o dia que você chegaria, lindo na terra em que vivo,
aquela terra que sempre lhe tirou suspiros, podia imaginar sua face e seu abraço pra me acolher.
Quantas vezes sonhei junto a você, mesmo quando nada ia bem e por momentos estivemos cada um em seu canto e mal.
Quando meu coração se aquecia com as horas que você telefonava,
e eu sonhava e sonhava que você viria um dia.
Mas agora tudo acabou, não vai haver mais nada,
nem sorriso e nem palavras só o vazio que você deixou dentro de mim.
Foi a sinceridade que te levou pra longe e bem distante onde você se encontrou em um outro abraço, num beijo que surgiu e te roubou de mim.
Talvez você tenha descoberto que eu era diferente, tipo meio gente e que comete erros,
e desencantou e não mais sonhou comigo e talvez tenha se ferido e com isso desistido.
Mas eu te amei em cada momento, tanto tempo ocupou meu pensamento e hoje choro o abandono.
 Nada restou, nem a amizade pois não tenho como saber, que as coisas que sonhamos  faz parte de um outro mundo que não posso pertencer.
Quando estudávamos juntos e nos atraimos pelos idiomas, hoje já não trocamos mais as mesmas idéias, nem as palavras...hoje já não falamos nada.
 (Simone Prado)

terça-feira, 30 de julho de 2013

AMOR BANDIDO

A dor que rasga meu peito nunca haverá de saber,
a lágrima que escorreu sem cessar na tristeza de te amar e te perder.
Dos dias de espera que agora se rompe em trapo,
jogados ao chão como um farrapo,
tirado de mim as vestes de volúpia,
como uma louca e desnuda.
Do nome que nunca gritei,
que ficou engasgado na garganta como um grito no meio do nada,
da menina que sorria feito criança,
esperando pra entrar na dança dos sonhos não vividos.
Embora tantos foram os dias sonhados agora rasgados na escuridão.
Do tempo que foi perdido andando sozinha em meio a multidão.
Queria agora rasgar  o peito e tirar de mim essa dor,
de um amor não vivido que um dia foi correspondido e que chamei de AMOR.
Vai amor bandido em outros braços ser feliz,
deixe o vento me  levar pra bem longe,
pra nunca mais te encontrar.
(Simone Prado)

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Momento de sobrevivência

Por medo vou me fechando,
os sentimentos vou deixando,
num mundo que, se deixar,
 nos congelamos nas emoções frustradas.
Por medo de ferir-me vou amando menos,
quando deveria amar mais,
vou perdendo sonhos,
quando deveria sonhar mais,
e vou vivendo mais o hoje do que o amanhã.
Talvez isso seja viver com os pés no chão!
Por ai, controlando as emoções,
contendo as lágrimas quando tentam vir,
apagando muitos sorrisos antes de aos lábios sair.
Disfarçando a tristeza e diblando a solidão,
fingindo não ter no peito um coração teimando em explodir
Apagando lembranças da ilusão,
dos momentos não vividos.
Focando em esforço fisico pra enganar minha alma muitas vezes aflita,
fazendo-me de forte para impedir fragilidades.
Muitas vezes escondendo as verdades do meu espírito apenas pra sobreviver.
Me perguntando o que restou de mim, nesse mundo sem fim.
Quem sabe um dia, volte em mim eterna alegria,
de olhos brilhantes, de ar contagiante com esperança sentida,
da dor não escondida de fatos presentes, que contagie toda gente apenas por existir.
(Simone Prado)

terça-feira, 23 de julho de 2013

Abandono

Quantas vezes imaginei você voar,num passaro gigante pra me encontrar.Quantas vezes imaginei seus braços abrindo pra me abrigar,seus lábios entreabertos aos meus colar,no sorriso quente dizendo me amar.Quantas vezes, em ti pensei e repensei em tantos meses e anos,tentando diblar o desengano e a distância que nos separava,quantas vezes te imaginei dormir ao meu lado e viver um amanhã.Agora você se foi,pra outros braços, para um novo amor,sem sequer se importar com minha dor,com outra mulher, imaginar, você está.Quantas vezes vou ter que tentar te esquecer,ainda que te encontre em meus sonhos, ao adormecer. Ainda me diz não ser despedida, trazendo em minha alma que já era sofrida, o desalento e desamor.Tirar de mim um sonho de cor, pra ficar no preto e branco,sem o seu sabor.A sua felicidade  ainda tenho que torcer,porque jamais te quero ver sofrer,mas a minha lágrima senti descer com ciúmes do seu novo amor.Não sou mulher sensata que se faz de santa,tenho sentimentos que queria não sentir,quem sabe você nunca esperou por mim como dizia,enquanto eu sorria ao te ver partir.Vá e não olhe pra trás, a vida não é sempre como se apresenta,refaça seus planos e me abandone pois aqui fico eu a caminhar, mesmo triste sem não mais te ver passar. (Simone Prado)

domingo, 21 de julho de 2013

Sonhos reais ou só sonhos?????

As vezes esperamos coisas acontecerem em nossas vidas por anos, porém a vida vai levando seu proprio rumo sem se importar com as horas que dedicamos a sonhar. Sem se importar quantas vezes lutamos para vencer os obstáculos e pela espera de um sonho concluído. Ai nos vemos por um tempo sem chão, sem saber-mos pelo que continuaremos a lutar, pois o querer do sonho realizado estava tão presente que não sabemos mais como sonhar. Acho que o mais dificil é nos imaginarmos sem aquilo ao qual nos preparamos pra receber...nos sentimos meios perdidos e sem direção...talvez o desgastante é vivermos a refazer sonhos pois eles nos alimentam a alma. São metas e objetivos de realizações....vem o MEDO, A ANGUSTIA E ATÉ A DEPRESSÃO, a sensação de fracasso de sonhos não realizados pela convicção. A única coisa que nos conforta nessa hora é aceitar a vontade Divina em nossas vidas, ou então esperamos as voltas que a vida dá e torcer pra maré mudar a direção...levantar a cabeça, olhar pro horizonte e continuarmos a caminhada,

(Simone Prado)

sexta-feira, 19 de julho de 2013

No trem da vida

Foi sem querer o começo,
quando chegou não tinha pretenção,
foi sem querer que encantou meu coração.
Mesmo que seja passageiro,
no trem da vida pegamos uma carona,
no mesmo vagão,
na mesma locomotiva com cara de trem bala,
diante da evolução.
As vezes seguimos viagem sem nenhuma emoção,
mas quando te vejo não se tem como negar,
esqueço o vazio que assombrou o meu ser.
Quando durará essa viagem, é dificil saber,
passamos horas olhando pela janela,
sem a imagem perceber.
Vou deixando me levar no balanço do trem,
sem saber em qual estação saltar,
sem querer encontrar ninguém.
Só vivo o momento em sua direção,
pra um dia olhar a frente esquecendo talvez essa emoção.
Quem sabe, não terei mais o mesmo sabor,
nem despertarei mas o brilho dos seus olhos,
e nem você me dispare mais o coração,
talvez seja como o vento que sopre em outra direção e em alguma estação
eu venha descer,
deixando o trem seguir com você.
Se puder me olhe pela janela,
quero um  adeus poder dar,
como despedida eterna mesmo num simples olhar.
(Simone Prado)

terça-feira, 16 de julho de 2013

Desencanto

Foi em versos que te recebi,
assim meio querendo fugir,
mesmo de mim.

Foi em rimas que relatei meus momentos,
trascrevendo no papel meus sentimentos,
foi em poema que vivi.

Mas os versos rasguei,
do meu peito retirei,
e fechei meus olhos,
calando a minha dor,
eu precisei sufocar meu amor.

Da  paixão que vivi,
apenas de mim escondi,
a luz que se apagou.
(Simone Prado)

domingo, 14 de julho de 2013

Máscaras da vida

Já perdi a conta das lágrimas que derramei,
dos cacos que tive que colar,
do joelho ralado e doendo,
tendo que me levantar.
Já perdi a conta das palavras que acreditei,
das muralhas do meu peito que muitas vezes desmoronei.
Um escudo em minha frente que foi erguido com sofrimento,
já perdi a conta das vezes que me desarmei.
Me pergunto todas as vezes que já estive ao chão,
como cai de novo na mesma emoção,
de ver o lado bom de pessoas que me ferem o coração.
Vou levando a vida com medo de acreditar,
nos rostos mascarados que querem me conquistar.
O cansaço que invade em minha mente,
trazendo a desmotivação,
lutando para que não deixe morrer em mim a eterna PAIXÃO.
(Simone Prado)

sábado, 13 de julho de 2013

tenho saudades....

Sinto saudade do cheiro, do sabor, das mãos que aceleram o calor,
do gosto de mel, dos lábios macios e sedentos me levando ao céu,
sinto saudade da magia, do encanto, da embriaguez...

Sinto saudade, do tom....da voz que me faz viajar...
saudade das horas findas de um lindo navegar.
Do perfume exalado, do beijo molhado...do suave toque no simples tocar.
Saudades das horas que me leva a voar....

Saudade do que desperta...de tudo que não há pra ser,
saudade dos momentos que me faz viver.

Sinto saudade do ver colorido...da aurora boreal dos meus sentidos...
saudade de mim quando estou em você...
saudade de nós, da saliva trocada...das risadas que ecoam numa madrugada.
Sinto só saudades...
(Simone Prado)


Coisa passageira...

Não quero adimitir a falta que você faz em mim,
aquele gosto da saudade que chega sem pedir licença,
arrancando gemidos e suspiros.
Não quero adimitir que não estava em meus planos,
o meu interesse momentâneo mesmo que sei que não vá ficar.
Sei que é coisa passageira, que a despedida é bem real,
não tenho petenção de achar que serei tão importante em sua vida.
É verdade! Nela não há lugar pra mim.
Mas, o que posso fazer?
Se nesse momento bem forte é você em mim
Sei que a dor mais cedo ou mais tarde virá,
mas não se tem o que se culpar, pois posso muito bem entender.
A solidão sempre é minha companheira,
e quantas vezes preferi bem assim,
sei que não devia ter deixado você se acercar de mim.
Mas essas coisas acontecem, assim como se fez também se desfaz,
é somente olharmos pra frente e não se voltar pra trás.
(Smone Prado)

quinta-feira, 11 de julho de 2013

TOQUE DE CORAÇÃO

QUANDO TOCOU MEU CORAÇÃO,
QUASE SEM QUERER,
NÃO DEU PRA PERCEBER,
QUE JÁ FAZIA MORADA,
MESMO QUE A PORTA,
 APARENTEMENTE,
 ESTIVESSE FECHADA.

QUANDO TOCOU MEU CORAÇÃO,
FOI COMO O BEIJO DA PAIXÃO,
CHEGA SEM AVISAR,
MEIO SEM JEITO,
MEIO DE MANSINHO,
COMO A PASSEAR NA BEIRA DO CAMINHO.

AGORA TÁ AI,
SEM PRESSA DE PARTIR,
JÁ ACOMODADO,
ANDANDO DESCALÇO,
BEM A VONTADE,
 COMO SE ESTIVESSE EM CASA.

SÓ VENHO TE PEDIR,
QUE QUANDO CHEGAR A HORA DE PARTIR,
NÃO BATA A PORTA,
DEIXE-A ENTREABERTA
NÃO FAÇA BARULHO,
ME DEIXE QUIETA,
PARA QUE NÃO DOA,
PARA QUE NÃO MALTRATE,
PARA QUE A SOLIDÃO NÃO ACORDE,
PARA QUE ELA NÃO VENHA ME ATORMENTAR,
DEIXA QUE NO SILÊNCIO EU PERMANEÇA,
ATÉ EU MESMA A PORTA FECHAR.
(SIMONE PRADO)

quarta-feira, 10 de julho de 2013

pensamento do dia

O coração sempre se encanta na simplicidade dos momentos,
sofisticação demais é como sepulcro caiado.
As coisas simples cativam, encantam, penetram a alma da gente,
nos momentos mais normais é que se esconde grandes tesouros.
(Simone prado)

domingo, 7 de julho de 2013

VOCÊ E EU, eu e você

Não queria falar de você,
não que não tivesse sentimentos,
apenas não quis olhar o momento,
Fugir seria o ideal,
mas...aqui estamos nós sem sentido,
embora devesse ter me ouvido,
com esse coração tão abatido,
parecia tão perdido.

Foi como uma onda mansa,
nos pegou de jeito,
nos envolveu por inteiro,
não temos como negar.

Um dia o FIM DE CERTO CHEGARÁ,
como sempre chega na maioria das vezes,
sem cobranças,
apenas nossos medos.

O quanto durar já me é suficiente,
quantas vezes esqueci que ainda sou gente,
que ainda podia sentir.
Sentir vontade de estar junto,
mesmo sempre tendo que ver partir.

Não se tem culpa nem nenhuma intenção,
apenas ouvimos o coração e nos deixamos ir.
Onde o vento nos levará?
Talvez em busca de um outro mar,
numa outra direção,
seguindo sempre onde a paixão,
ainda puder existir. (Simone Prado)