quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Não retenha, deixe voar...



Que escolha é essa, que dilacera,
 a vontade de reter, quando nunca se teve.
Que dor é essa que acaricio sua presença em minhas mãos,
que choro e rasgo meu coração e no intimo peço baixinho: NÃO VÁ
Eu lutei pra não acontecer, não tinha que ser você, eu tinha medo de te amar.
Depois me vi mentindo, não foi intencional,
 logo eu que condenava a mentira, mas menti pra mim,
achei  que você não era tão importante assim.
Não sabia se era a carência que vem nos confundir,
achei ser fácil deixar você partir...
Eu queria amar outra pessoa, não foi de boa essa seta do cupido,
errou novamente, aquele bandido de corações.
Vá! Não se demore, antes que me arrependa de não lutar.
Nunca me armei pra batalhar, a causa já estava perdida antes de começar.
O bom guerreiro sabe que muitas guerras não são como se vê.
há incógnitas dentro de um ser.
Voe Amor, se liberte dentro de si, se encontre mesmo que tenha que partir.
(Simone Prado)- 14-11-2013



2 comentários:

  1. Olá, como está?

    Não sei se se recorda de mim, sou a autora do blogue "Não procurei pelos teus olhos", pus esse blogue privado pois faz parte do passado e criei agora um novo, ei-lo:

    http://odesassossegodosilencio.blogspot.pt/

    Quando puder, e se quiser, visite. é muito bem-vinda.

    Andei afastada deste mundo mas agora pretendo voltar e começar de novo a entrar no ritmo dos blogues, lendo as novidades, comentando e etc. :)

    Beijinho



    ResponderExcluir
  2. Lindo amiga Simone! O poema e o vídeo.
    Um abraço. Tenhas um lindo feriadão.

    ResponderExcluir