terça-feira, 23 de julho de 2013

Abandono

Quantas vezes imaginei você voar,num passaro gigante pra me encontrar.Quantas vezes imaginei seus braços abrindo pra me abrigar,seus lábios entreabertos aos meus colar,no sorriso quente dizendo me amar.Quantas vezes, em ti pensei e repensei em tantos meses e anos,tentando diblar o desengano e a distância que nos separava,quantas vezes te imaginei dormir ao meu lado e viver um amanhã.Agora você se foi,pra outros braços, para um novo amor,sem sequer se importar com minha dor,com outra mulher, imaginar, você está.Quantas vezes vou ter que tentar te esquecer,ainda que te encontre em meus sonhos, ao adormecer. Ainda me diz não ser despedida, trazendo em minha alma que já era sofrida, o desalento e desamor.Tirar de mim um sonho de cor, pra ficar no preto e branco,sem o seu sabor.A sua felicidade  ainda tenho que torcer,porque jamais te quero ver sofrer,mas a minha lágrima senti descer com ciúmes do seu novo amor.Não sou mulher sensata que se faz de santa,tenho sentimentos que queria não sentir,quem sabe você nunca esperou por mim como dizia,enquanto eu sorria ao te ver partir.Vá e não olhe pra trás, a vida não é sempre como se apresenta,refaça seus planos e me abandone pois aqui fico eu a caminhar, mesmo triste sem não mais te ver passar. (Simone Prado)

3 comentários:

  1. Como é triste a dor do abandono! O coração fica corroído e as lágrimas teimam em rolar pela dor da separação. Quanta dor neste lindo texto minha amiga
    Beijos no coração
    Gracita

    ResponderExcluir
  2. Quantas vezes pensamos e repensamos os atalhos fechados, tentando abri-los e sonhados mais dourados! abraços

    ResponderExcluir
  3. Seus poemas são tristes e muito belos.Parabéns.

    ResponderExcluir