Pular para o conteúdo principal

Havia um porto...



                                                                               O porto de Colliure (imagem)

Havia um porto que parecia seguro,
atracava barcos vindo do litoral,
vinha também a maresia
com aquele cheiro de sal.

Havia um porto,
um porto havia,
onde os viajantes desciam
e rumavam cada qual em uma direção.

Tomavam seus destinos,
uns chegavam e outros não.
Havia um porto.

Um belo dia, que não era  tão belo assim,
não havia mais um porto,
apenas um vale inseguro,
um pântano obscuro,
que não mais barcos chegavam,
nem viajantes haviam.

Havia um horizonte sem fim,
que não se podia vizualizar,
apenas recordar,
de quando se podia olhar.
(Simone Prado)

Comentários

  1. Havia um porto e muitos barcos
    Onde chegavam, de onde partiam
    Se despediam com beijos e abraços
    Aqui no teu jardim as planta floriam.
    Pelos mares navegavam
    Sobre as ondas, grandes veleiros
    A outros continentes chegavam
    Felizes, contentes passageiros
    Homens e mulheres, elegantes
    Cidadãos estrangeiros
    Homens de negócio e viajantes!
    A este porto eu cheguei
    No pensamento viajando
    Aqui te encontrei
    Amiga Simone Prado.
    Boa noite e um beijo
    Do teu amigo Eduardo.

    ResponderExcluir
  2. Olá amiga, bom ver vc por aqui, o poema me faz pensar em lugares que as vezes visitamos e quando pensamos em voltar não existem mais, uma pena! Bjoooooooss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Olá amiga Simone, gostei do texto, que bom que voltou a escrever!
    Desejo-te uma boa noite!
    Beijos em seu coração, da sua amiga Fernanda!

    ResponderExcluir
  4. Querida Simone, achei um pouco melancólico esse seu poema, embora com a sensibilidade de sempre. Espero que seja só um estado de alma passageiro.
    Beijinho
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CROMOS E KAIRÓS ( O TEMPO DE DEUS E O TEMPO DOS HOMENS

Significado da palavra Khronos (em grego Χρόνος, que significa ‘tempo’; em latim Chronus) Kairos (καιρός) é uma antiga palavra grega que significa "o momento certo" ou "oportuno"
"Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs o mundo no coração do homem, sem que este possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim." (Eclesiastes 3 : 11)



DEUS NÃO SE LIMITA AO TEMPO DO HOMEM POIS ELE TEM O PRÓPRIO TEMPO. POR ISSO SOMOS TÃO ANSIOSOS E VIVEMOS MAL NOSSO TEMPO, NOS PREOCUPAMOS EM CORRER E ESQUECEMOS DE VISUALIZAR O HOJE AO QUAL VIVEMOS. DEPOIS FICAMOS NUM FUTURO A  LAMENTAR O TEMPO PERDIDO



Seu sorriso no silêncio (FALECIMENTO DO MEU TIO-PAI)

Ontem seu sorriso se apagou nesse mundo, seus olhos se fecharam num sono profundo.
Mas ao te visualizar naquele lugar frio e impessoal com apenas flores artificiais,
quando minhas lágrimas caíram livremente e a consciência que é o fim pra todo humano existente,
que todos vamos por isso passar pois não ficaremos eternamente, deixando nesse mundo apenas as sementes, e as lembranças boas e ruins.
Quero me lembrar de você não como o meu último olhar, mas as risadas que ainda ecoam em meus ouvidos,
nunca dentro de mim apagará seu sorriso e a alegria que transbordava por onde passava
Nos seus 86 anos de vida nessa terra, você foi meu tio mas também meu pai o era.  Meu coração ainda está a chorar de saudades eternas. O nome do meu filho, hoje com 20 anos, foi você quem escolheu e foi tão perfeito que foi como Deus que me Deu, nunca poderia ter sido melhor escolhido pois também era como filho seu. A dor que hoje há em meu peito, sei que um dia irá passar, e apenas as boas lembranças da saudade irão…

Sou apenas uma joaninha

A caminhar pelo jardim, pousando em cada flor, voando assim, assim.
Sou apenas uma joaninha de tão pequenina, mas onde passo deixo meu encanto, meus desenhos atraem olhares por todos os cantos.
Minha diversidade de cores traduz a perfeição da criação, sou inofensiva, as crianças gostam de comigo brincar, sou tão linda que querem sempre me pegar.
Vou caminhando lentamente, as vezes, chego a dar pequenos voos. Sou joaninha simplesmente, nesse mundo gigantesco, mas trago comigo grande apreço, que alegro onde passar. (Simone Prado)