quarta-feira, 28 de novembro de 2012

O seu retrato.

Eu te olho todos os dias,
fico a te fitar,
me deleito no brilho do seu olhar.
Seus cabelos pretinhos,
entre meus dedos, tão lisinhos,
parece uma seda a deslizar.
O toque da sua pele,
o gosto de seus lábios,
o seu calor.
é disso que foco a cada manhã,
o retrato que ficou registrado em meu cérebro,
toda vez que adormeço e abro meus olhos.
O seu retrato!
Sei que com o tempo vai se perder a nitidez,
vai ficar fosco e perder seu brilho, sua cor.
Talvez na recordação se apague,
mas nunca vou esquecer que do retrato foi gente,
que meu cérebro focou.
Talvez seja como um flash que um dia se apagou,
mas por enquanto, vivo está em minha mente,
me aperta o coração pois não posso tocar,
é só o que minhas lembranças pode acariciar.
(Simone Prado)
Imagem retirada do blog:
http://nelmaladeira52.blogspot.com.br/p/h.html

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Pássaro solitário

Entreguei meu coração,
ou melhor, ele foi sozinho sem pedir minha permissão.
Sinto falta do que não tenho por mera opção,
decisões tomadas no calor da razão.
As emoções são como ondas em um grande mar,
vem na beleza a nos arrastar.
No balanço das ondas você me envolveu,
sensações em cadeias, será isso amor?
Espero ser mera paixão,
que com o passar do tempo desacelere meu coração,
que anda oprimido, pensando escutar os gemidos,
de um sentimento sofrido.
Queria a segurança do carinho que não tive,
as palavras que precisava ouvir,
que secasse as lágrimas e me fizesse sorrir.
Momentos que não esqueci,
que se entristecem junto a mim.,
sou um pássaro solitário,
buscando outros ares,
que me levem a cantar,
do pio estridente,
soprados entre os dentes,
tentando me apagar.
(Simone Prado)

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

NO SILÊNCIO DE MIM.


Me confundo em pensamentos,
tento entender meus sentimentos,
minha mente procura a razão,
mas o coração segue seu próprio rumo.
Sinto coisas que me abrasam e que não deveria sentir,
perco a razão por alguns momentos,
deixo a impulsividade agir,
descontrolo-me por instantes,
sou eu mesma em seus braços,
mas você já não é mais o mesmo de antes.
Quer demostrar que já não sente,
se fechou em si,
não consigo mais alcançar,
e em ti me adentrar.
Sei que é tempo perdido,
é melhor tampar meus ouvidos,
fechar meus olhos,
e minha boca calar.
(Simone Prado)

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A falta do seu sorriso


Ainda não esqueci o olhar da sua face o sorriso que partiu,
por causa de minhas palavras que o feriu.
O brilho de seu olhar já se apagou,
já não foca os meus olhos, me abandonou.
Como no poder de palavras apagamos a luz da áurea humana,
mesmo sem intenção, sem culpa alguma?
A responsabilidade dos nossos gestos insanos,
achamos que sempre encontraremos seres desumanos,
e saímos por ai sem medir nossos atos,
cometendo atrocidades na nossa dor interna.
transformamos esse mundo numa guerra,
onde as balas que direcionamos são como balas perdidas,
sem saber em quem acertar.
É muito sério o que deixamos nossa boca falar,
atos impensados que não se tem como consertar.
Talvez o copo quebrado que não tem como colar,
o brilho que se apagou,
a dor que causou.
Saímos a atirar em quem não nos metralhou,
como vingança interna de quem um dia nos abandonou,
e quem chega, sem saber de nada é atingido quase sem nada dizer.
Foi essa a história entre eu e você.
Se eu pudesse colocaria em seus lábios o mesmo sorriso de antes, o mesmo brilho nos olhos, o mesmo carinho no coração...
mas nada posso e já pedi seu perdão. Mas caco quebrado feri e destrói, é como ferrugem que ao coração corrói.
(Simone Prado)

terça-feira, 20 de novembro de 2012

FAXINA INTERIOR.

Escondi a razão dentro de meu coração pra não viver as mentiras que eu conheci,
reciclei minha caixa de mensagens joguei fora o que era lixo, deletei...mas também salvei o que me fazia bem. Fiz uma varredura de sentimentos e depois esvaziei a lixeira. Joguei fora as incertezas, as coisas banais. Fui em busca de novos passos e achei...ainda que o tédio apareça algumas vezes. Aprendi a curtir minhas prioridades, defendo as minhas verdades e de algumas coisas até me arrependi, mas não tive vergonha em admitir meus erros. Procurei em meio aos meus defeitos como me redimir. Buscando alegria que pudesse me fazer sorrir. Sou assim, do jeito que alguns me conhecem mais a fundo, sou a descobridora de meu mundo em meio as traças que varri. Minha opinião é o que prevalece sobre mim e não o que querem que eu seja. HOJE ME DESCOBRI. (Simone Prado)

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Só por um momento...eu queria um tempo...

Eu queria só por um momento me esconder do mundo,
tampar meus ouvidos para essa poluição sonora,
fechar meus olhos para a poluição visual,
me transportar pra um lugar onde somente o canto dos passarinhos,
 o barulho das águas e o cheiro da mata pudessem me alcançar.
Só por  um momento onde o tempo não fizesse a diferença,
onde eu pudesse me desintoxicar.
Fazer um favor pra minha mente,
não esquecer que sou gente,
e mereço por um momento me ausentar.
Queria até chorar meu pranto,
colocar pra fora a sujeira do meu interior,
as mágoas contidas,
também as cicatrizes que alguém deixou.
Queria um abraço quando eu humildemente pedisse perdão,
quando sem querer fizesse sofrer um coração,
mas nessa vida não tem jeito,
não se há nenhum respeito,
com o interior.
Vamos olhando por fora e fingindo que estamos bem,
pra não ter que explicar a dor.(Simone Prado)




quarta-feira, 14 de novembro de 2012

No fundo do meu olhar

Se você tivesse olhado no fundo dos meus olhos talvez não tivesse se enganado tanto.
Do brilho contido, que te passou despercebido quando desviei dos seus, com medo de você me ver.
Das lágrimas que te assustaram e você não pode  entender, era algo intimo de se viver.
Não tinham explicação, você não sabe da minha história, nem mesmo agora, pois nunca teve curiosidade de saber. Só se colocou como coitado e ferido, nem prestou atenção no meu coração tão sofrido.
Eu só não entendo porque fico em ti a pensar, deveria até festejar e não ficar a me lamentar. Quem sabe um dia eu esqueça, que por um momento perdi a cabeça e corri atrás de você. Engolindo o amor próprio e sentindo o gosto amargo da humilhação, não tive vergonha alguma, quando se erra corre-se atrás do prejuízo. Eu corri, como uma atleta em dia de competição e nem mesmo sei a resposta de querer ganhar a maratona, nem sei o por quê. Esse cupido idiota flechou eu a você. Ele errou novamente, deveria ter flechado outra pessoa, que pudesse entender numa boa o coração de uma mulher. Que quando ela diz NÃO é porque tem medo de ser ferida no peito e vir a morrer. Morrer não da vida, mas da sua autonomia de liderar, se ver submissa e até implorar. Se render a conceitos e deixar preconceitos somente pra amar. (Simone Prado)

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Aguenta coração

José Augusto (Musica)

Coração, diz pra mim
Porque é que eu fico sempre
Desse jeito
Coração não faz assim
Você se apaixona
E a dor é no meu peito...

Pra quê, que você foi
Se entregar
Se na verdade eu só queria
Uma aventura
Porque você não para
De sonhar
É um desejo e nada mais...

E agora o que é que eu faço
Pra esquecer tanta doçura
Isso ainda vai virar loucura
Não é justo
Entrar na minha vida
Não é certo
Não deixar saída
Não é não...

Agora aguenta coração
Já que inventou essa paixão
Eu te falei que eu tinha medo
Amar não é nenhum brinquedo
Agora aguenta coração
Você não tem mais salvação
Você apronta
Esquece que você sou eu...


Coração! Coração!




sábado, 10 de novembro de 2012

Coisas que frequentemente acontecem...

No lugar de seus beijos encontrei o desprezo,
em meio as emoções perdi seu coração,
o olhar que não me deu se desfez numa miragem profunda,
no querer encontrar não pensou em abandonar.
Mil desculpas arrumou pra dizer que não amou,
Assim eu também faço com um outro alguém,
sentimentos trocados que não faz bem.
Não adianta dizer que devemos gostar de quem gosta da gente,
coração não obedece, e ainda se entristece querendo se aborrecer.
Gostar de quem gosta da gente é um pouco raro e muitas vezes precisa ser conquistado.
Numa atração fatal, talvez a química até é demais,
mas no diálogo não rola, torna-se banal.
Quando as palavras completam o carinho,
dificilmente vou me sentir sozinho,
sinto-me inteira, mesmo que se fale algumas besteiras,
que nem tem sentido, mas é o ser envolvido, faz parte do clima.
Mas quando a solidão é intensa,
é como um vazio constante,
lembranças do que já se teve antes,
desilusão do que ainda não chegou.
Será tudo isso o amor?
Essa coisa de desencontro, de sofrimento alheio,
as vezes total desespero de pertencer,
ou você a mim, ou eu a você...tanto faz...
Vem esse gosto de saudade, de querer ficar um pouco mais,
mas tantas vezes partimos e nem olhamos pra trás.
( Simone Prado)

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O mundo cor de rosa...onde está?

Imagem retirada do blog http://nelmaladeira52.blogspot.com.br/p/imagens.html

Onde está o mundo cor de rosa?
Aquele que na adolescência sonhamos?
Onde está os encantos e os sonhos de donzela?
Onde está?
Os sonhos ao longo do caminho foram sendo desfeitos,
a paisagem foi ficando obscura,
veio o medo e a solidão.
Olho pra frente sinto o cheiro da semente que foi plantada em meu coração.
Da essência nunca vou esquecer, Daquele que um dia me estendeu a mão.
(Simone Prado)

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

EU CONSEGUI!



Já cansei de fazer planos, já cansei de sonhar,cansei de esperar o que desejo pois percebi que nada acontece na minha hora.  Hoje apenas espero o que Deus achar que mereço, e agradeço por tudo que já me concedeu. Não adianta espernear, gritar, e meter os pés pelas mãos se não entendemos os propósitos de Deus nada acontece. Claro que as vezes sonhar é tão frutificante e sadio, mas tem alguns sonhos que esperar é preciso e não adianta ter ansiedade. Lembro dos pássaros quando são presos na gaiola, nos primeiros dias, se debatem, se machucam...mas com o tempo vão acostumando com o espaço confinado e ai é somente cantar  o canto, mesmo que seja triste...mas ainda lindo pra encantar quem passar. Hoje meu brilho anda ofuscado, já não sou mais como antes, apenas canto a minha poesia e espero o tempo passar, como a olhar pela janela e ver o mundo lá fora, porém a esperança ainda é viva de dias melhores que hão de vir, pois a alegria de chegar até o fim da estrada e olhar pro alto e dizer: EU CONSEGUI!

(Simone Prado)

domingo, 4 de novembro de 2012

CARÊNCIA DE VOCÊ


Essa falta que você me faz,
me inquieta e me deixa sem paz.
Essa vontade de estar em ti,
mas você não quer estar em mim.
Essa rejeição banal,
deixa a minha boca amargando sal,
tudo podia ser diferente, se não fosse uma pessoa tão ausente dentro de você.
Carregando magoas antigas e atirando dardos em quem não merecer.
Coração que não perdoa, que não esquece as coisas a toa e fica mascando o fel,
com gosto de vingança. Parece ser apenas uma criança mas que cospe na cara,
querendo se proteger. Nunca lidei com uma pessoa feito você.
O que mais me incomoda é que que já deveria ter esquecido,
de com você ter me envolvido e deixar de me entristecer. 
Se não tivesse olhado na sua cara e visto no fundo dos seus olhos,
animal ferido, que mesmo escondido deixou transparecer.
Por que não consigo te tirar das lembranças e esquecer de você?
Vem e invade minha mente, se entromete em meus planos como um intruso
e parece ser mais forte que eu.
Preciso te esquecer na marra, retomar minha vida e continuar a caminhada,
meio descalça a pisar em cascalhos, mas sei que vai passar e num outro dia vou ainda festejar,
Deixar no passado, o amargo, e olhar pra frente e me encontrar num novo AMOR, naquele que não filtra a dor e quer apenas viver. 
(Simone Prado) 

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

PERDAS


Ao longo da vida vamos aprendendo a lidar com as perdas, seja elas de qual natureza for, dos entes queridos, do amor mal resolvido, dos filhos que crescem e se afastam por quererem viver a vida e conhecer o mundo, ou perdidos em seus interiores de alma. Vamos nos moldando a situações adversas e mudanças de espirito, ouvindo os NÃOS que encontramos pelo caminho. Mas quando é aquela questão de pessoas que nossos olhos nunca mais verão nessa terra e a saudade corroí como ferrugem no tempo, comendo de mansinho nosso coração até se tornar como uma peneira de tantos buraquinhos de dor. Com o tempo a dor latente vai dando uma trégua, e chega aquela saudade que aperta bem devagarinho e nos faz gemer baixinho em quanto a lágrima até rola. Os anos vão se arrastando e viver uma nova vida é fato, vamos nos adaptando. Mas de repente aquela vontade de abraçar, de dar um beijo cheio de amor, de pegar no colo, de rodopiar, de correr ao encontro....mesmo sabendo que o que partiu não vai chegar...é só fruto de nossa imaginação. O NUNCA MAIS  é tão forte! Não, pelo menos o conforto dos que creem que até um dia, pelo menos. Depois vamos seguindo, querendo conquistar com medo de perder, antes mesmo de ganhar, ou um simples tudo bem, posso entender senão tiver que ser...já aprendi a perder. Mas que Deus mande um anjinho pra te livrar da dor, mesmo que ele chore com você...ou te oferte uma flor e te diga: TUDO BEM, VAI PASSAR.
 (Simone Prado)-02/11/2012.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Lampejos de felicidade


IMAGEM RETIRADA DO BLOG
Será que felicidade é isso?
Lampejos que refletem como um flash?
Um toque tão rápido que quando se vê já passou?
Que felicidade é essa que passa tão rápido que nem dá tempo de pegar?
Deixa um Q de saudade mesmo antes de chegar.
 Pensei ter passado um cometa, ou uma estrela cadente,
era a felicidade que deu adeus e voou,
voou pra um novo horizonte deixando-me só. 
Me abandonou!
Será que um dia voltarás?
Em outro rosto, em outro olhar?
Te espero novamente, fecho os olhos e imagino chegar essa tal felicidade.
Sei não ter sido mentira e sinto tanta saudade.
Sei que não será no mesmo sorriso pois não pode ser.
Mas sei que a vida se regenera e de mim não quer se esconder.
Volte FELICIDADE, vem me percorrer,
arrepia-me por inteira e me enche de prazer.
(Simone Prado).