sábado, 29 de setembro de 2012

Andando na corda bamba


Na corda bamba da minha vida,
não sei que decisão tomar,
se digo SIM ou se vou PENSAR.
Na indecisão de qual caminho tomar,
qual resposta dar,
se vou ou se fico, se deixo como está.
Se desisto, se me arrisco, se deixo de tentar.
Já não sei o que fazer,
pensamentos tumultuados fazem parte do meu viver.
Tem hora que quero, depois não mais.
Esperei tanto ser diferente,
agora sou como ausente em minhas decisões.
O que parecia ser o certo, agora me acho em dúvidas,
não me entendo, me canso de mim.
Sei que pra acertar sempre temos que abrir mão de outras coisas que nos traz comodidades.
Ma pra dizer a verdade, nem sei mais o que pensar.
Talvez tenha o que já há de melhor pra mim,
só não sei valorizar.
Na CORDA BAMBA DA MINHA VIDA, fico a me balançar,
se cair estarei perdida não sei onde irei parar.
Sei que decisões tomadas não voltam atrás,
ou me acomodo e me contento ou continuo sem saber onde chegar.
(Simone Prado)

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

O TEMPO



O que mais dói é saber que com o tempo vamos perdendo nosso espaço, e que pelo mesmo tempo, vamos ficando a cada dia com menos tempo para aqueles que nos amam. Assim vamos por um tempo, tentando resistir a falta de tempo, no tempo que vc me faz. (Simone Prado)

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Qual o sentido? Seguir e seguir...


Por que não nos atentamos para as coisas boas dessa vida?
Tirarmos as cortinas dos olhos pra não perdermos nenhum foco, nenhum momento especial?
Por que ficamos fazendo tantas perguntas desnecessárias e sofrendo antecipadamente?
Coisas que na maioria das vezes nem vamos viver, nem vão ocorrer diante de nossa preocupação.
Tantos medos e neuras, tantas palavras desnecessárias, quanto tormento em nossa alma.
Seria tão simples se aprendêssemos a valorizar as coisas simples e delas tirarmos o melhor proveito.
Sem pressa de chegar onde nem sabemos onde de fato, como uma imensa multidão andando freneticamente  em uma mesma direção. Engraçado, que caminhamos e sentimos que não podemos parar, somente seguir sem saber onde vai dar. Sentimos que devemos produzir alguma coisa, por instinto ou não. Que não devemos ser saco pesado  ao chão esperando quem nos arraste a fora. Não! Isso de verdade NÃO. Apesar de ter momentos que ficamos bem assim, prostrados e inúteis. É como se a terra no seu giro nos impulsionasse e nos arremessasse bem pra frente. Vamos que vamos em uma direção, numa mesma gravidade, numa mesma multidão. (Simone Prado)

domingo, 23 de setembro de 2012

Simples viver!



Talvez a falta do que fazer o torne tão importante,
a sensação de vazio constante,
as palavras que já não chegam nos lábios,
o ouvido que já não faz questão de escutar,
o coração que já bate em ritmo compassado,
porque já não encontra emoções para o acelerar.
Os passos já tão mecânicos e deixando as mesmas pegadas,
O ir simplesmente por não poder parar,
o olhar que já não se espanta com a paisagem,
e assim o passar dos dias sem sentido, sem paixão.
Viver sem emoção, como um autônomo nos mesmos atos,
repetidor de atitudes e sentimentos que já não causam mais prazer.
Apenas o simples viver! (Simone Prado)

sábado, 22 de setembro de 2012

PRIMAVERA

Seja bem-vinda em nossa vida,
trazendo novidade e alegria.
Que seu perfume venha exalar,
esquecendo os dias triste de outono e as folhas secas ao chão.
Que as novas cores sejam pintadas em nossa mente e também em nosso coração.
PRIMAVERA traga-nos mais emoção.
Que a esperança em seu meio possamos encontrar,
olharmos para frente e visualizar,
novos rumos a encontrar.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

MEU ANIVERSÁRIO - 21/09/2012

É COM MUITA ALEGRIA,
NÃO DE FICAR UM ANO MAIS VELHA, É CLARO,
MAS DE TER VOCÊ AQUI COMIGO.
VOCÊ QUE CAMINHA AO MEU LADO TODOS OS DIAS, MESES, ANOS...
VOCÊ QUE TORCE POR MIM E ENTENDE MEUS DIAS MAUS E QUE SORRI COM OS MEUS SORRISOS.
 NA VERDADE, O PARABÉNS NÃO É PRA MIM E SIM PRA VOCÊ, POIS É COM SUA PRESENÇA E VISITA QUE EU RENOVO MINHAS FORÇAS PRA LEVANTAR TODOS OS DIAS.


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

...eterna felicidade da criança que habita em mim...

Essa criança que não devemos deixar partir de dentro de nós,
é a mesma que nos faz ter esperanças nesse mundo louco de ser adulto.
Essa criança que deixamos de ouvir gargalhadas,
de rir do nada, das coisas que não precisam ter sentido,
ou das coisas que nem dão ouvido.
Criança que não tá nem ai se temos responsabilidades de gente grande,
ou se nos preocupamos se um dia o mundo vai se acabar, ou se vamos ficar sozinhos ou não, sem ninguém pra amar.
Criança que leva cada dia apenas focando nas brincadeiras do dia seguinte, buscando sempre ter prazer de viver. SIM, não devemos deixar essa criança MORRER.
TUDO É MAGIA, É ENCANTO! O IMPORTANTE É SER FELIZ E VER ESSE MUNDO COMO UMA GRANDE BOLA QUE ROLA E NOS CONTAGIA. (Simone Prado)

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Queria voltar no tempo...

Sinto falta do beijo que não dei,
do sonho que não sonhei,
do ar que não respirei,
do amor que não vivi.
Sinto falta também do sorriso que não nasceu,
das lágrimas que não sequei,
das palavras que eu  não disse,
do olhar que não lancei.
Sinto falta de mim quando criança,
da inocência que deixei,
quantas vezes não me achei,
porque precisei crescer.
Queria voltar atrás e brincar mais vezes e não me preocupar com o dia de amanhã. Com essa sensação que o tempo tá cada dia mais curto e não tenho tempo pra quase nada. Ao invés de olhar pra frente, queria que o tempo voltasse atrás pra fazer diferente a falta que ele me faz. (Simone Prado)

sábado, 15 de setembro de 2012

Simplicidade

Na simplicidade do amanhecer desejei ver você,
ao abrir meus olhos para um novo dia,
não senti saudades das noites frias e vazias,
apenas acordei com desejo de viver.
Viver não a sua presença que me conforta,
mas a presença de mim mesma.
Porque me faço companhia e mesmo que as vezes me abandono,
eu sempre volto pra mim.
Mergulho nas águas dos meus desejos, hora intensos ou não,
me abraço, e me acalento. Quando me sinto em meio ao tormento de minhas emoções.
Eu me entendo, as vezes me odeio e outras simplesmente me amo.
Sou eu mesma, mas muitas vezes encontrei outra em meu lugar,
eu me busco todos os dias, mesmo quando quero me abandonar.
No silêncio de mim, na alegria e na tristeza permaneço num casamento perfeito.
Quantas vezes esperei um sorriso de conforto e lá você não estava,
estava apenas 'EU'.
(Simone Prado)


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Engano...ou verdade?


A ilusão bate na porta,
leva a mentira pra enganar,
ressuscita a esperança e invade as  lembranças,
sem pedir pra entrar.
Adentra na mente, engana e mente,
faz crente as suas convicções..
Novamente se deixa levar,
que mais uma vez é uma asneira qualquer,
essa coisas de homem enganar mulher.
Fragilidade não tem preço,
mas um dia o troco é feito,
mesmo que seja por um outro alguém.
Abusar das pessoas não é merecedor por ninguém.
Depois alguns vem a reclamar,
que a maioria das mulheres não amam, só querem desfrutar.
De tanto levar pela cara, já não acreditam na palavra amar.
Mas no silêncio do quarto algumas choram baixinho,
carentes de um carinho querendo se apaixonar.
É melhor esquecer, do que novamente deixar se levar,
de palavras que são tão bonitas,
querendo apenas conquistar.
De tanto isso ocorrer um paga pelo pecador,
quando chega é recebido com pedradas,
ao invés de amor.
Será que um dia isso ainda tem jeito?
Que o verdadeiro amor rompe defeitos,
e que o acreditar ainda tem morada,
mesmo que encontre a porta fechada,
e peça pra entrar.
Sente na sala, tire as sandálias e nos convide pra jantar.
(Simone Prado) 13/09/2012

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Ser ou não ser eis a questão...

Eu pensei que era doce o bocado que olhei,
queria me lambuzar e do paladar me fartar,
mas foi uma decepção,
quando com os olhos comi,
me fartei e enjoei.

Já não quis mais aguçar meu paladar,
preferi um quindim,
tamanho ideal pra mim.

Me enjoo se parecer abundante,
prefiro o light do que uma caloria aguçante.
Só de imaginar o estomago se fartar,
prefiro ficar no fitar.

Sei que pensei ser amor a primeira vista,
mas o salgado tem mais pedida,
o doce tem melhor saída, 
 me sinto assim mais atrevida.

Somente fitei,
de fato nem experimentei,
preferi resistir a tentação,
mas não tentar meu pobre coração.

Fiquei mesmo com a salada,
pra não me sentir no fundo culpada,
manter o controle foi preciso,
para que eu não perdesse meu juízo.
(Simone Prado) 

     

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Uma luz no fim do túnel...

Quantas vezes olhamos em nosso caminho e parece que as coisas não caminham como deveriam. Como se o tempo não passasse, como se as coisas não se resolvessem, como se a vida nos negasse coisas e momentos que buscamos em nossos sonhos e projetos de vida. Quantas vezes pensei em parar, desistir de tudo, de buscar coisas boas pra mim...e tantas vezes quis fechar meus olhos e não perceber como o sol brilha, como é lindo todas as coisas que nos encantam. Que o amor ou a paixão nunca me encontrariam novamente. Tantas vezes eu não quis e não pude acreditar, de tantas decepções eu apenas pensava; Não vou me alegrar, não quero acreditar...mas tem dia que quando parece o FIM DO TÚNEL na chamada esperança, tem uma luz pequenina, que seja ,lá no fim. Essa luz parece me chamar, e me traz a esperança de volta, os sonhos de amor, a expectativa de uma nova vida e um novo recomeço. Bate aquele medo, aquela dorzinha, como a me alertar de todos os sofrimentos passados, querendo me roubar um novo amanhecer. Sei que muitas vezes o que planejamos não é o que é pra ser, mas sou maleável, até aceito mudanças desde que sejam boas pra mim. Eu só quero ser feliz! Não quero só viver os testemunhos alheios e me alegrar com meus amigos. Quero também a alegria em minha vida e em meu coração. Sim, eu quero ser feliz no amor! Eu não abro mão disso dentro de mim, pois não teria como continuar.. Seria Rosa a murchar, a despetalar pelo caminho. EU RESPIRO O AMOR! Preciso dele, pra voltar a respirar a vida, pois quantas vezes me sinto tão morta, tão caída.As vezes tenho receio de meu coração parar de bater, sem o amor de novo conhecer e oro baixinho pedindo a Deus mais um pouquinho, espere mais um pouquinho. Cuide de meu coração com carinho e não o deixe esmorecer, pois ainda preciso desse momento viver. (Simone Prado) 

domingo, 9 de setembro de 2012

Desculpa! As vezes eu erro...

Venho pedir desculpas a todos pelos erros de ortografia que as vezes cometo em minhas postagens. Algumas vezes, é esquecimento de nossa língua portuguesa, outras, distrações, e outras falta de sabedoria mesmo. O uso da pontuação, ainda é mais complicado, tem hora. De qualquer forma, é preciso escrever de uma forma que todos entendam, e muitas vezes isso não acontece. Gosto quando me corrijam! Se isso ocorrer, sintam-se a vontade para mandar em meus comentários a forma correta de escrita. Eu deveria  estudar mais a nossa língua, mas acabo deixando pra lá. Peço desculpas a todos pois bom seria se tivéssemos domínio da nossa língua, pois muitas vezes um belo texto perde sua qualidade, e tem erros gritantes que não dá pra disfarçar. O nosso português não é tão fácil como parece, ou não parece...sabemos ser difícil até mesmo para nós. Sempre tem algo incorreto na maioria das vezes, eu até tento melhorar, mas tem dia ser quase impossível. Uma das táticas usadas é ouvir a pronuncia da palavra,  mesmo que tenhamos que repeti-las várias vezes. Algumas vezes o ouvir indica que há algo errado. Tipo um sexto sentido, mas as vezes nem isso dá jeito....srsrsrsr. Os pensamentos acelerados na hora da escrita também é um problema. Quantas vezes lemos um texto inúmeras vezes e não vemos um erro bem visível, porque a mente estava focada no conteúdo e não na letra. Mas vamos tentando, e sempre e tanto, aprender esse nosso idioma lindo que muitos estrangeiros amam e que é um orgulho para o brasileiro especialmente para mim. Lembrando que sempre devemos ter o costume de ler, pois a leitura é uma das melhores coisas pra não esquecermos a letra. Desculpa! (Simone Prado)

.


Não me refiro, no entanto as pessoas que não puderam estudar de uma forma ou de outra. Não estou aqui pra fazer julgamentos, cada um tem suas limitações...apenas cito aqui o que se refere a mim pois acho que nunca devemos parar de aprender  e também como incentivo.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Quando ouço sua voz...


Preciso lhe dizer:
Quando ouço sua voz, meu coração pulsa,
meu sorriso se abre, meus olhos brilham.
Que foi que fizeste comigo?
Parece isso ser pura magia,
um encantamento, mas não tem se apagado com o tempo,
como chama que irradia e se apaga.

Quando ouço sua voz, 
é como um farol que brilha,
para direcionar meus passos.
Tira de mim toda visão escura,
me traz alegria.

Quando vai embora,
é como o apagar de uma lampada,
meu semblante muda,
e sei que chegou o fim,
pelo menos daquela vez,
mas sei que volta,
pra ascender a luz novamente.

Você falou para que eu conhecesse outras pessoas,
te obedeci, mas não foi como você me disse:
você disse que em cada uma delas eu encontraria você,
vasculhei, mas não te encontrei nelas.
Nenhuma delas tinha o som de sua voz,
e não me despertaram as mesmas emoções.

Pior do que isso, me senti vazia,
como a procurar você nelas,
frustrada porque não o encontrei.
É assim, uma busca constante,
que não me leva a nenhum lugar,
porque onde procuro,
nunca vou te encontrar.
(Simone Prado)


Que vento é esse?





Que vento é esse que não cessa,
que tira minhas forças de me manter de pé?
Que vento é esse que bambeia minhas pernas,
querendo me derrubar?
Minhas pétalas já se foram,
sobrou apenas o caule e os espinhos,
que vento é esse que me tira do meu ninho.
Já estou sem forças, sem esperança e sem sonhos,
o vento levou até os meus planos de amar.
Que vento é esse que parece não mais passar?
Trouxe-me nostalgia!
Levou meu sorriso e também minha alegria,
só tenta me levar,
talvez para algum abismo,
ou nas profundezas do mar,
que vento é esse que quer me arrastar?
Eu tento me levantar,
mas não consigo me manter,
ele me leva,
mesmo sem eu perceber.
Talvez eu deixe de lutar,
voe ao som do vento e deixe-me levar.
Talvez em algum lugar eu consiga me agarrar,
seja num galho que consiga me manter,
para que ainda  não perca a vontade de viver.
Que vento é esse?
Que não consigo conter!
(Simone Prado)

terça-feira, 4 de setembro de 2012

SÃO DUAS FLORES



SÃO DUAS FLORES

São duas flores unidas
São duas rosas nascidas
Talvez do mesmo arrebol,
Vivendo,no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
das duas asas pequenas
De um passarinho do céu...
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bem como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar...
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas... Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!
Castro Alves

segunda-feira, 3 de setembro de 2012


É loucura odiar TODAS as ROSAS porque UMA te espetou.
Entregar TODOS os teus SONHOS porque UM deles não se realizou, perder a FÉ em TODAS as ORAÇÕES porque em UMA não foi atendido, desistir de TODOS os ESFORÇOS porque UM deles fracassou.
É loucura condenar TODAS as AMIZADES porque UMA te traiu, descrer de TODO AMOR porque UM deles te foi infiel.
É loucura jogar fora TODAS as CHANCES de SER FELIZ porque UMA tentativa não deu certo.
Espero que na tua CAMINHADA não cometas estas loucuras. Lembrando que sempre HÁ UMA OUTRA CHANCE, UMA OUTRA AMIZADE, UM OUTRO AMOR, UMA NOVA FORÇA.
PARA TODO FIM UM RECOMEÇO"
Antoine de Saint-Exupéry

domingo, 2 de setembro de 2012

Pés descalços...

A sua ausência não é mais do que a saudade que sinto de ti. A esperança não é maior do que o que há em mim em relação a você e minhas convicções. Você foi semente frutífera na terra chamada coração, hoje já deu frutos e flor, seu cheiro suave, sua textura feito veludo, você se tornou indispensável num livro chamado vida.
Me pergunto tantas vezes o que há de ser entre nós dois? Não encontro respostas e deixo a incerteza pra depois. Sua presença me basta nesse momento, em saber que tantas vezes seu pensamento está acerca de mim, e o meu acerca de ti. Que caminhamos juntos, mesmo separados, que difícil é superarmos as pedras do caminhos. Algumas teimam em não sair. Mas mesmo de pés descalços, sangrando, feridos, , continuamos a caminhar nessa estrada que não se sabe onde vai dar. 
(Simone Prado)