sábado, 30 de junho de 2012

Quero ser um trovador

As vezes queria ser um trovador
escrevendo rimas 
e versos
em forma de amor.


Literalmente não sei essa faceta  
bem já procurei ler
mas me falta entendimento
para o certo fazer.


Mas vou trovoando do meu jeito
sem o correto saber escrever
mas dentro de mim
sei trovador ser.


Nessa literatura vou dando meus arranhões
já dizia Jorge Amado
que o trovador e a trova
são imortais.


Vou por ai fazendo versos em trova
trovador na integra sei não saber
mas coloco nas linhas
o que vai dentro do meu ser.


Quando escrevo essa alegria
não consigo me conter
quem sabe um belo dia
trovoar vou aprender.


Puderas um dia encantar
em trovas poder falar
recitar as poesias
cantando por ai minha alegria. 


(Simone Prado)

quinta-feira, 28 de junho de 2012

A pequena Estrelinha.



No céu havia ma estrelinha muito triste a chorar,
porque achava não brilhar como as outras.
Olhava pra um lado via tantas a brilharem que lhe ofuscavam,
olhava para todas ao seu redor e pensava: porque não posso ser como elas?
Olhava para a a lua com seus ciclos e ficava encantada,
tudo ao seu redor simplesmente brilhava.
Mas por  que será que ela não irradiava?
Por que será que era tão pequenina e parecia nem crescer?
Sonhava em ser grande e o mundo com seu brilho se admirar,
queria ser estrela maior e a todos encantar.
Que quando olhassem para o alto nas madrugadas,
a vissem em primeiro lugar, queria ser a mais bela e formosa e nos olhos a brilhar.
Até que um dia alguém lhe chamou a razão,
estrelinha querida, não chore não.
Por que fica a se lamentar, não entende que também como nós pode muito brilhar?
Pare de olhar para as estrelas, cada um tem o brilho que merece, não ver que o seu querer, ofusca você?
Olhe para você e faça a sua parte, quando menos perceber verás que estará brilhando como todas nós.
Estrelinha, Estrelinha também já fomos pequeninas e trabalhamos muito para hoje ter nosso brilho.
Não se entristeça, faça apenas a sua parte.
A pequena Estrelinha pode entender que cada um tem o que merecer e que o brilho das pessoas ao nosso redor não ofuscam o nosso brilho, apenas nos impulsionam a também brilhar cada dia mais.(Simone Prado)

quarta-feira, 27 de junho de 2012

DESPINDO AS MÁSCARAS

A vida é feita de escolhas e estamos cansados de saber, mas quando nos levantamos de um fundo de um poço eis ai a grande diferença. Quando temos que decidir entre caminhar ao invés de parar, sorrir ao invés de chorar, lutar ao invés de desistir...arregaçar as mangas ao invés de sentar...certamente são as melhores escolhas que podemos decidir. Antes de tentarmos fazer alguém feliz,  a melhor escolha e nos perguntar se estamos felizes. É preciso arrancar as máscaras de nossa face, nos despir do nosso ego, rasgar nosso interior. Dentro de nós não enganamos a nós mesmos, nossos sentimentos, nossas emoções  são reais, ainda que o conseguimos mascarar no mundo exterior algumas vezes. Quando fechamos a porta e apagamos as luzes somos nós simplesmente e não adianta dizer: está tudo bem. Eu me pergunto a cada manhã: o que me faria ser mais feliz hoje? O que posso mudar pra me sentir melhor e realizada? A vida é cheia de perguntas e muitas sem respostas, mas quando passamos a perguntar para nós mesmos, aí faz uma grande diferença. Encontramos respostas mais rápidas do que pensamos e aprendemos a determinar metas que mudam toda nossa trajetória.(SIMONE PRADO)

domingo, 24 de junho de 2012

Renova-se

Renova-se  os sonhos que foram esquecidos,
a força da restauração interna.
Renova-se no intelecto,
e a paciência da espera.


Renova-se todas as manhãs como fonte do recomeço,
deixando de lado as pedras e os tropeços.
Renova-se já é um grande começo.


Quando olhamos para trás,
tendemos a captar as mesmas dores sentidas,
renovar-se no pensamento é sabedoria adquirida.
Renova-se.


Deixemos os passos atrasados,
pra isso, deixemos também o passado,
recomeçar é preciso,
é melhor recobrar o juízo.
Amanhã é novo dia,
a visão tende a clarear,
olhamos para frente, levantemos do chão,
pra recomeçar. 
(Simone Prado)

sábado, 23 de junho de 2012

PERDOE EU ERREI COM VOCÊ...e comigo...

Não foi minha intenção,
foi quase sem perceber,
no medo de sofrer fui egoísta,
olhei somente pro meu umbigo.
Confesso:  não pensei em você.
Não me coloquei em seu lugar,
não percebi sua forma de me olhar,
apenas me assustei,
quando não pude as rédeas segurar.
Fiz uma bagunça em minha mente,
sem perceber que você não me entendia,
algumas vezes fingi não notar,
que havia tristeza dentro de seu olhar.
Algumas palavras pronunciei,
hoje paro pra pensar,
só serviram pra te magoar,
e na hora simplesmente sorri,
sem me incomodar.
Pra mim era uma brincadeira,
sem consequências,
falava algumas besteiras,
não medi o meu falar.
Sem querer por um momento eu entendi,
que eu havia parado de sorrir,
que o que não podia acontecer,
não acometeu a você,
chegou em mim,
meio tarde eu percebi.
Eu não planejei aquele sentir diferente,
não sonhei em ter saudade em meio a nós dois.
Eu pensei que você tinha que entender,
que o meu sofrer me fazia de vitima,
e esqueci que você também tem sua história,
que não era obrigado a me acalentar com palavras pra me acalmar.
Foi uma discussão sem sentido,
minha mente um caos envolvido,
eu não consegui da bagunça de meus pensamentos me safar.
Tanto errei, tentando me acalmar.
Como criança pequena você me viu,
te doeu o meu falar.
Da sua vida parti correndo,
sem pra trás querer olhar,
foi quando percebi,
que corria do medo de me apaixonar.
Respirei bem fundo, chorei, briguei comigo e voltei,
mas você já não estava lá.
No quentinho do seus abraços não havia pra mim nenhum lugar.
Eu não tinha nada a te oferecer,
na bagunça da minha vida não consegui encaixar você.
Agora você veio me dizer,
que existe outro alguém,
que tão rapidamente tomou meu lugar.
Na verdade eu nem sabia que tinha entrado em você,
tudo fora tão rápido, nem pude perceber.
Acabou ! De seus lábios pude ouvir, 
de suas palavras pude ler,
aquilo que esperou de mim,
também esperei de você.
e naquela de quem vence o egoismo primeiro,
quem foi atrás fui eu,
mas já era tarde,
de mim você se escondeu.
Eu errei com você,
agora sozinha estou com meus botões a remoer,
em outros lábios agora você beija, talvez seja tão fácil me esquecer.
Eu penso em você todos os dias, não tenho dó de mim apenas nostalgia.
Continue seu caminhar, por um momento tão rápido em minha vida,
eu tive medo de ser feliz.


(Simone Prado)-23-06-2012

Sua ausencia em mim é como deserto sem água
 é silêncio na madrugada
 é frio cortante nos poros da pele.
Sua ausencia em minha vida é abandono
 é despedida de anos de conquista
 é como arrancar de mim o respirar da própria vida.
 Será esse pensamento cruel ?
 Não, cruel é te perder pelo meio do caminho.
 Mas sei que está ai, nesse espaço, em algum lugar
 a fazer tantas coisas,
 mas sei que ainda estou aí
 dentro de vc
 ainda que não o possa perceber,
mas me sinto em sua presença.
(Simone Prado)

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Algumas vontades....

Tenho vontade de  deixar sair um grito rouco que está quase a me estrangular,
tenho vontade de tirar da minha cabeça pensamentos que não me levarão a nenhum lugar.
Sentimentos que me fazem chorar algumas vezes, que chegam a me ferir, no lugar deles gostaria de sorrir.




Tenho vontade de fazer  minhas próprias vontades, sem regras. Tenho vontade de chutar o balde em qualquer direção, vasculhar minha vida, jogar fora os lixos com minha mãos. Tenho vontade de andar sem rumo, sem oportuno, meio tipo: na contramão.


Tenho tantas vontades, de pular numa corda bamba e me soltar no espaço, livre e sem embaraços. De caminhar numa estrada sem fim, olhando ao redor e vendo somente a mim. Tenho vontade de ser eu em meio a multidão, mas ser diferente, e chamar a atenção. Tenho vontade de sentar-me e não fazer absolutamente nada, olhar apenas a bagagem sem pressa de ir.


(Simone Prado)

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Simplesmente EU


Sou a espera dos meus dias de superação,
sou um cálice a transbordar em suas mãos.
Sou a fonte que espera para saciar sua sede,
sou a própria esperança deitada na rede.


Sou o amanhã que vem cheio de nostalgia,
sou a  promessa em forma de alegria.
Sou o olhar que irradia contentamento,
sou a expectativa do momento,
sou rosa que desabrocha em seu rebento.

Seus dedos de seda em minha face tocar,
sou a pétala a te deslumbrar.
Meu perfume a te embriagar,
encanto a sua visão,
sou apenas um botão.
(Simone Prado)

quarta-feira, 20 de junho de 2012

No silencio da alma

Me silêncio nas coisas que não posso fazer,
no silêncio de minha alma é necessário por um momento viver.
Depois de um grande ataque de guerra onde todas as nossas forças são esvaídas,
é preciso de silêncio para renová-las, no silêncio da alma contida.
É como derramar as lágrimas somente internamente com os olhos secos no exterior.
É um grito mudo em meio ao silêncio, o silêncio interior.
Silenciei minha alma, pedi pra mim: por favor calma.
No sofrimento solitário das adversidades da vida,
aprendi a conviver com as feridas, porém sei que cada uma delas em seu tempo contido,
vai sendo limpas no tempo devido.
Quantas vezes fechei e abri meu coração e quantas vezes foi em vão,
 mas é assim que aprendo a cada dia a superar minhas emoções.
No silêncio de minha alma, procuro conter-me, procuro me acalentar,
quantas vezes somos tiranos com nós mesmos, extraindo de nós o melhor caldo.
Mas também é sabedoria da alma saber como devemos por um tempo parar,
e no silêncio da alma esperar.
Quantas portas bati que não se abriram, 
quantas palavras que esperei receber que não ouvi,
 nem por isso vou deixar me matar. 
No silêncio da alma nesse momento me calo,
E NÃO QUERO MAIS FALAR.
(Simone Prado)

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Nossos sonhos parecem ser pequenos, mas são grandes o suficiente para nos impulsionar a continuar lutando por eles. (Simone Prado)

domingo, 17 de junho de 2012

As vezes penso...e penso...

Que complicamos tantas coisas que poderiam ser tão simples. É somente olharmos pela janela e visualizarmos as cores do mundo que está lá fora. Simples assim! (Simone Prado)

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Aguenta coração

Quantas emoções tantas,
que invadem o coração da gente,
boas e más a nos surpreender.
Quanta dor é pra valer,
quantas alegrias que não dá para explicar,
parece do peito querer saltar,
batendo descompassado,
em ritmo acelerado,
quase a parar.
Bate coração em meu peito,
como a dar murros a saltitar,
quantas vezes se entristece, e parece me matar.
Coração que chora mas também sorri,
coração que se alegra e parece também se partir
São tantas emoções a te adentrar,
várias são as razões do seu tum tum tum,
bate coração quisera ser eternamente,
trazendo vida pra gente enquanto respirar.
(Simone Prado)

PENSAMENTO

As pessoas nas suas espertezas se acham 

sábias e inteligentes ao seu ver, mas são

 presas fáceis em suas próprias emoções. 

(Simone Prado)

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Fragilidade.

Diante de nossa fragilidade a Razão não é bússola que nos guia e nem tampouco nos dá sustentabilidade. Não é terreno sólido embora saibamos de sua suprema importância. Diante da fragilidade de nossas emoções o que se é coerente perde seu conteúdo, sua própria razão. O céu azul torna-se um tanto escuro como nuvem a tirar nossa visão. Na fragilidade que nos perdemos, mesmo que seja somente por um instante, somos como vidro a se quebrar, ou o simples quebrar das ondas do mar. Dos pensamos incertos arraigados por sensações adversas, sem noção entre o certo e o coerente, é como um turbilhão na mente da gente a incomodar. Mas aos poucos, a tempestade começa a se dissipar, as ondas revoltas começam a se acalmar, a nuvem negra que ofuscava a nossa visão começa a se mover em outra direção e o sol volta a brilhar trazendo de volta a RAZÃO em seu devido lugar.
 (Simone Prado)

terça-feira, 12 de junho de 2012

Tudo passa....

O grande consolo da vida, que não há mal que dure para sempre.
As nossas decepções, as nossas derrotas, para tudo se há consolo, o tempo tudo conforta. O coração se restabelece, a dor dos nossos erros vai sendo jogado pro dia de ontem e vamos olhando pra frente e aprendendo ou deveríamos aprender com nossos erros. (Simone Prado)

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Estou só, hoje.

Hoje sei que sensação é essa de solidão. De quando olhamos para o lado e não vemos ninguém, mesmo que as pessoas estejam justamente onde sempre estiveram. Lembrei daqueles que tiveram que partir, que me abandonaram mesmo sem quererem ir. Hoje me senti tão sozinha, que nem a minha presença pude sentir. Senti dó de mim e apenas pude chorar. Não tive ninguém pra desabafar hoje, olhei as funções que desempenho e todas pareceram tão distantes de mim e da minha realidade. Hoje não tenho palavras pra  acalentar, nem sorriso para sorrir, apenas as lágrimas pra derramar e a tristeza pra sentir. (Simone Prado)

Frieza humana-E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará." [Mateus 24:9-12].

Já vivemos esses dias, onde o coração humano se esfria, onde o calor de pessoa pra pessoa se perde. Vejo mesmo por mim, como nos escondemos atrás de emoções de medo de se machucar, nos fazendo de fortes e atrás dessa fortaleza nos tornamos frios em situações. Medo de sofrer novamente, de acreditar em palavras, em gente. Mas chega um dia que toda essa muralha vai ao chão e todo centralismo e razões de nada servem. Choramos, deixamos esvair as emoções e não conseguimos entender nossos sentimentos e nem atitudes. Nessa frieza humana que contamina, onde só o amor ao próximo e a nós mesmo pode fazer amolecer todo o gelo. Eu não quero ser assim, escondendo sentimentos e afetos, rindo da cara de pessoas que ainda acreditam num mundo melhor, com meu ar de deboche tantas vezes. Há momentos que não me sinto humana, e me pergunto onde foi que me perdi dentro de mim? Sei que só com o AMOR podemos ser melhores que somos. Eu não quero ser assim, sem sentimentos...onde a frieza dessa humanidade não nos contamine. (Simone Prado) 

sábado, 9 de junho de 2012

Vem ai o dia dos namorados.

Essa data tão especial para os apaixonados e tão vazia para alguns que se encontram sozinhos.
Se apaixonar é tudo de bom, é mistério, é emoção.
Lembro dessa data e já penso num casal de adolescentes a namorar,
 como se namorado fosse questão de idade, nada haver.
Quantos vovô e vovó ainda se apaixonam, caminham de mãos dadas, ajudam um ao outro descer nas calçadas e se miram nos olhos todos os dias ao amanhecer e dão aquele selinho fraterno.
Quantas pessoas não suportam a partida de seus amados ao envelhecerem e deixam de sentir o mistério da vida até também adormecer.
Acho que a vontade de amar, de se apaixonar é tão real no ser humano que até nos acomodamos e dizemos que tá tudo bem está sozinho. Nos acostumamos com a solidão, e quantas solidões existem a dois. 
Nessa data que se aproxima como eu queria uma pessoa em especial ao meu lado, mas tudo bem, não vou me entristecer a pensar no que poderia ser.
Quero me alegrar com os apaixonados que vejo passar, com seus beijos a estalar e seus sonhos no ar. As vezes saímos por ai a matar sonhos das pessoas, e essa semana eu matei um e me arrependo. Eu disse pra alguém que não acredito mais no amor entre um casal, no fundo falei por frustração por não ser feliz nesse sentido. Mas não me é de direito matar sonhos de quem acredita. Talvez esteja mais amargurada do que pensei, e tento impedir até de ser amada por alguém, vê se pode. Por eu não amar acho que ninguém pode me amar, isso é caso de muita terapia e mazela interior. Então me perdoem os que magoei e FELIZES OS QUE ACREDITAM E VIVEM ESSE TIPO DE AMOR. (Simone Prado)



falta entendimento

Não consigo me entender!
O que deveria me trazer encantamento me causa congelamento,
o que deveria nada me causar causa-me prazer.
Acho que a realidade de meus dias está comigo a brincar,
faço coisa que não devia e outras digo palavras desnecessárias.
Sorrio do nada e não acho graça no tudo,
as vezes fito o vazio e nada vejo,
outras deixo fluir o desejo e quero me encantar.
Como um entorpecer nem mesmo chego a me reconhecer,
talvez pense me encontrar e perdida esteja dentro do meu ser.
Não busco entendimento nas pessoas que me rodeiam,
algumas nem as reconheço, são tão vazias que eu nem mesmo as mereço.
Outras são tão intensas, me amam sem que eu de nada em troca, 
simplesmente acontece na forma natural dessa vida.
Outras esperam tanto de mim e não sei corresponder,
me veem como a solução de seus problemas, e eu quase nada posso fazer.
Sou humana, provida de tantas emoções, não choro mais com tanta frequência,
mas frequentemente se entristece meu coração.
Me vejo em tantas  pessoas e não me encontro em mim mesma,
talvez eu devesse parar de fugir e assim me encontraria.
Não quero mais me entender, cansei!
Vou deixar somente as coisas acontecerem, chega de cobranças, de luta interior.
Estou cansada dessa guerra interna buscando me entender,
falta entendimento mas o que eu quero é só viver.
(Simone Prado)

quinta-feira, 7 de junho de 2012

TEATRO DA VIDA - participação no Rimablog.

Mergulhei bem fundo em minhas emoções,
rasguei os lençóis com minhas próprias mãos,
fiz um diário da vida, sorri pra minha própria face,
mas não era verdade, era só ilusão.
Dos trapos que eu vestia, fingi ser alegria era apenas desilusão.
Fui espectador no teatro da minha história,
fechei o cenário e somente escutei os aplausos da minha derrota.
Em meio da plateia que descortinava eu era atriz, muitos diziam
bravo, mas eu não era feliz. Arranquei do meu peito gemidos,
embora tenha até sofrido, mas precisava contracenar.
A vida é cheia de plateia e querem te ver brilhar.
Fui roteirista, de autor também fui artista, mas também
estive em meio a plateia  a me observar.
Na história da minha vida, precisei rasgar as páginas,
colocar pontos e parágrafos e recomeçar.
Eduardo Maria Nunes diz:
Você foi a mais linda atriz,
que no teatro representou,
não foi desilusão como diz,
seu mergulho na história ficou,
toda a gente que ao espectáculo assistia, 
sua brilhante actuação aplaudiu.
Não arrancou do peito não,
toda a gente a plateia em silêncio via,
momento de tanta emoção,
quando Simone Prado, ao palco subiu.
Bravo se ouvia gritar,
com mais intensidade quando subia o pano,
com seus lindos olhos a brilhar
e seus delicados dedos, no teclado do piano,
em silêncio a sua mais linda canção escutar.
Foi tanta a emoção,
ao ver muita gente a chorar
dos seus olhos as lágrimas caídas no chão
por onde Simone Prado passar.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Paixão em alto mar.

As vezes chegam pessoas em nosso caminho que não dá para explicar.
Não fazem nosso tipo, não se incluem em nossos preferidos, nem  se enquadram em nossos sonhos...
Chegam e vão se adentrando sem serem convidados, sem serem chamados, sem serem esperados...
De repente vamos esquecendo de pessoas que nos eram tão caras, daquelas que deixaram marcas e que até esperávamos voltar.
Sim existem pessoas assim!
Que nos fazem perguntar o por que de tudo acontecer assim?
Pessoas que nada fazem pra nos conquistar, mas apenas um olhar diferente, um coração tão sensível...
Não queremos que elas fiquem, mas também não conseguimos expulsá-las e elas simplesmente vão ficando, e ficando, e ficando...
Quando damos conta elas já se apossaram de nós, já fazem falta quando saem, já nos alegram quando voltam...
Eu não consigo entender essas coisas!
Nunca entenderei o por que dos opostos se atraírem.
Quando damos por nós, a paixão chega sem querer, ainda que a não quiséssemos a receber e aquele cheiro de perfume no ar, a lembrança que vem a nos conquistar e o beijo que não conseguimos apagar.
Dá vontade de fugir, ou fingir não está percebendo, que mesmo não querendo caímos de novo nos braços da paixão.
Então o que fazer?
Cruzar os braços e deixar acontecer?
Ou deixar os olhos fingindo que não vê?
A saudade aperta no peito, e sem querer nos deixamos levar...como um barco a deriva...em alto mar.
(Simone Prado)

terça-feira, 5 de junho de 2012

Fechei meus olhos

Hoje eu fechei meus olhos pra você,
não o vi quando passou, não deu pra perceber.
Das palavras ditas por seus lábios,
nenhuma foi verdadeira,
foi tudo só uma besteira, é melhor esquecer.
Aquela sensação tão linda,
no entrelaçar de nossas mãos,
foi sonhos jogados no chão,
já não existe o por quê.
Do sorriso da sua face,
agora já não existe em meus pensamentos,
foram se apagando com o tempo da sua ausência.
Dos seus rastros marcados em meu coração,
são como pegadas varridas pelo vento nas minhas emoções.
Sei qual foi a razão,
você não queria ser amado,
só queria um lance safado,
e várias direções.
Hoje ainda a saudade dos momentos vividos,
mas fecho meus olhos e já são esquecidos,
e volto a sorrir.
Quem sabe num outro olhar,
eu encontre compaixão,
que não faça sofrer meu coração,
e não tenha que partir.
(Simone Prado)

sábado, 2 de junho de 2012

Decisões...

Entre rimas  X  prosas eu criei versos.
Entre amor X ódio eu preferi amar.
Entre lua X sol eu brinquei com as estrelas.
Entre tempestade X bonança preferi ser como uma criança.
Entre sonhos X realidade eu fiquei com a verdade.
Entre mentiras X  honestidade eu forjei meu caráter.
Entre o dia X noite eu fiquei com o entardecer.
Entre o passado X presente decidi viver.
Entre o bem X mal escolhi meu criador.
Entre partir X ficar fui simplesmente eu.
Entre lutar X desistir eu venci.
Entre lealdade X  inimizades preferi fazer amigos.
Entre lágrimas X tristeza fiquei com meu melhor sorriso.
Mas não pude  escolher, em decidir entre eu X você,
apenas um podia sobreviver, aqui ficou eu e perdi você.
(Simone Prado)









sexta-feira, 1 de junho de 2012

Engano do Cupido- por Sônia Amorim


O que é o amor?
São  pedacinhos de sentimentos que ainda não se deixou aparecer,
guardados num cantinho do coração, esperando o sim pra se soltar e deixar acontecer,
são sentimentos há muito esperado, mas se não for bem aceito, se fechará e não terá jeito de fazê-lo ressuscitar.
O amor brinca com os nossos corações ou é o cupido que anda distraído demais?
E acerta a pessoa errada e sem razão nenhuma faz desencontros e o sentimento não acontece como deveria de ser.
Nos deixam com dúvidas, quando que, o amor não tem mistérios, é sentir e pronto,
nos deixam as vezes até triste por que rejeitados somos obrigados a desacreditar do amor.
E ainda ficamos na expectativa, de que não entendemos direito o que aconteceu, quando na verdade não queremos aceitar o verdadeiro motivo desse engano do cupido, não era esse, não foi dessa vez, é só mais um entre tantos amores que um dia teremos que esquecer.


Sônia Amorim-http://escritorauniversoparalelo.blogspot.com.br/