terça-feira, 27 de novembro de 2012

Pássaro solitário

Entreguei meu coração,
ou melhor, ele foi sozinho sem pedir minha permissão.
Sinto falta do que não tenho por mera opção,
decisões tomadas no calor da razão.
As emoções são como ondas em um grande mar,
vem na beleza a nos arrastar.
No balanço das ondas você me envolveu,
sensações em cadeias, será isso amor?
Espero ser mera paixão,
que com o passar do tempo desacelere meu coração,
que anda oprimido, pensando escutar os gemidos,
de um sentimento sofrido.
Queria a segurança do carinho que não tive,
as palavras que precisava ouvir,
que secasse as lágrimas e me fizesse sorrir.
Momentos que não esqueci,
que se entristecem junto a mim.,
sou um pássaro solitário,
buscando outros ares,
que me levem a cantar,
do pio estridente,
soprados entre os dentes,
tentando me apagar.
(Simone Prado)

5 comentários:

  1. Uma bonita poesia, uma esperança que certamente se realizará.
    Beijos.
    Élys.

    ResponderExcluir
  2. Muitas vezes é preciso entregar o coração aos rumos desconhecidos para que possamos tocar novos sentimentos e ter a possibilidade de andar por caminhos mais coloridos... Mesmo que não queiramos...
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Esos nuevos aires que surcaremos con impulso renovado y con corrientes que favorecerán llegar con nuestra esperanza, por brisa, a buen Puerto.
    Preciosa Poesía.
    Un abrazo y beijos.

    ResponderExcluir
  4. Querida, tem selinho no blog pra você!
    Beijo enorme!
    http://apoetaesuasletras.blogspot.com.br/p/selos.html

    ResponderExcluir
  5. Pássaro solidário
    A paz nos vem trazer
    Quando ler o meu comentário
    A ele se quiser pode responder!

    Se não for capaz
    Eu vou ajudar
    para quem deseja abraçar
    Que não demore muito em chegar

    Voa, voa passarinho
    Vai pousar daquela janela
    Leva para Simone Prado carinho
    Por ela está à espera!

    Beijinho
    Eduardo.

    ResponderExcluir