segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Existência

Muito tarde percebi, que nem tudo que eu queria que fosse realmente seria.
Que nem sempre tenho bons resultados naquilo que mais me empenho.
Ou que desempenho bem algo que não levo o menor jeito.
Talvez, com alguns treinos eu consiga fazer e realizar coisas,
mas nunca terei excelência em algumas.
Eu não nasci pra tantas coisas,
mas para outras, estas seriam minha praia.
Algumas eu me canso e desisto,
outras eu luto até conseguir.
Acho que é o que se chama de ter dom ou mesmo talento para aquilo.
As vezes me pergunto; Quem sou eu?
 Mas dificilmente consigo achar as respostas exatas para descrever-me.
Eu não sei se meu maior medo é ser ferida ou ferir.
Talvez seja faca de dois gumes, bem dentro de mim.
Tantas convicções me levaram a quase nada,
tantas sabedorias aprendi,
mas dessas mesmas tive que me despir.
Há momentos em nossa vida que é melhor saber quase nada,
fico a pensar: tem empresas que preferem o empregado crú. Isto é,
sem saber nada, para serem moldados no perfil daquela empresa. 
Tem outras, que já querem experiência e o minimo de conhecimento possível, 
para não se perder tempo.
Tem hora que gostaria, se possível, ficar de cabeça para baixo e deixar cair tudo.
Para quando voltar a posição normal, começar tudo de novo em aprender.
Queria conhecer coisas diferentes, aprender tantas coisas que deixei passar e nem olhei.
Queria ter oportunidades que a vida oferece hoje, que no meu tempo de mocidade nem sonhei existirem.
 Quantas vezes eu digo; Ah! Se fosse no meu tempo, eu aproveitaria tudo e faria tudo diferente.
Mas no entanto, outras vezes entendo que tudo tinha que ser justamente assim.
Que não dá para transferir minha história, deixá-la em outra porta.
Não dá para querer viver uma vida que não seria a minha.
Gostaria de voltar só em algumas coisas, apagar palavras que falei, fazer coisas que poderia ser feito,
e outras esquecer.
Como eu gostaria de esquecer tantas coisas!
Mas, a minha existência é essa. Agora, não preciso ter mais pressa...deixo-me ir.
Para onde? Não sei! Se vou, se venho, se parto, se fico...só sei que o agora...estou aqui. 
(Simone Prado) 

6 comentários:

  1. Reflexões interessantes, amiga Simone. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  2. Acho que nunca é tarde!!! Sempre existe um espaço, uma fenda no tempo para que possamos aprender algo. Deixo aqui o meu abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Você fala dessa maneira
    Porque o passado conhece
    Leve a vida na brincadeira
    Porque castigo não merece.
    Também nada adiantar
    Do passado que a faz sofrer
    Já não pode lá voltar
    O melhor será esquecer.
    Guardadas na memória
    Serão apenas recordações
    Que fazem parte de sua história
    Que alegram ou entristecem corações.
    Coração sensível com o seu
    Não o faça ou não o deixe mais sofrer
    Pensa positivo, no presente
    Para o futuro ser melhor
    Te anima alegremente
    Imagina a imensidão dos campos em flor
    Não pensa negativo constantemente
    Para te ver sorrir se eu pudesse te daria uma flor
    Colocaria no seu peito
    Com jeitinho para te não magoar
    Deus fez o mundo perfeito
    Para o homem o contrariar!

    Boa noite para você, amiga Simone Prado,
    um beijo
    Eduardo.










    ResponderExcluir
  4. Um belo texto para se refletir.Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Oi Simone, as vezes tambem me pego com algumas perguntas que nem sempre consigo as respostas e enquanto isso vou simplesmente seguindo adiante.
    Bjks e otima semana

    ResponderExcluir
  6. Sempre ouvimos dizer desde pequena que tudo que acontece em nossa vida tem um porque, mas por que será que demora tanto pra acontecer o que de fato realmente é bom pra gente, ou será que não estamos vendo direito o que é verdadeiro e acontece todo dia e a gente não percebe o seu valor, pois são pequenos acontecimentos que passam despercebidos e quando no demos conta passou e o tempo foi perdido, não volta mais.
    Muito bom o desabafo, muitos passam por isso, beijos

    ResponderExcluir