terça-feira, 12 de julho de 2011

SUSPIRO DE MINH'ALMA


No suspiro de minh'alma,
Eterna e calma,
No recolher de um sentimento.
Lembro-me de um momento,
Onde nossos corpos se uniram por um tempo,
Suspirando nossos desalentos.
De uma emoção vibrante e terna,
Do que se foram anos de espera,
De uma loucura eterna.
Sonhos que não se foram,
De palavras que não se cumpriram,
Evaporaram no tempo.
Do que era único e verdadeiro.
Quem foi que amou primeiro?
Não sei dizer.
Digo que a luta foi constante,
Que quando o encontro foi vibrante,
Tudo se desfez. 

4 comentários:

  1. Não sei o que te dizer a respeito desse amor insólito que você poetizou tão bem. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  2. Encantador, Simone!
    Simplesmente se evaporam em forma de deliciosos aromas das flores...

    Beijos, querida.

    ResponderExcluir
  3. Quando não se amam com a mesma intensidade, tudo acaba por se destruir e desabar! Bjs

    ResponderExcluir
  4. O amor é eterno enquanto durar...beijo Lisette.

    ResponderExcluir