sexta-feira, 8 de julho de 2011

JUSTO AGORA


QUE QUERIA GRITAR SEU NOME AO VENTO,
DEIXAR EXPLODIR EM SENTIMENTO,
E DEIXAR ROMPER O AMOR,
QUE GUARDEI POR TANTO TEMPO.

JUSTO AGORA,
QUE MINHA PELE AFLORA,
QUE AS ONDAS SE ACALMARAM,
QUE O VENTO PASSOU.

JUSTO AGORA,
VOCÊ TINHA QUE IR EMBORA,
E DEIXAR FICAR O QUE TANTO SE PLANEJOU.
VOCÊ ACABA DE JOGAR FORA,
A SEMENTE QUE BROTOU.

5 comentários:

  1. Eles são difíceis de se entender. Esse poema diz da queixa feminina e é interessante. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  2. Algumas vezes a paixão tem disso: são bolhas de sabão que chegam, encantam com suas cores e logo explodem no ar.
    Abraço com carinho.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Simone.Belo poema! Quantas sementes são jogadas fora, sem oportunidades de florecer. São paixões que passam como o vento!Tenha um lindo fim de semana! bjs..

    ResponderExcluir
  4. E um dia, quando quiser voltar atrás, já nada resta, porque o eu poético construiu a sua vida e superou essa dor. Bjs e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  5. aaah Simone que bom que acho o meu blog bonito!*-*
    eu também ja esto te acompanhando você , tem textos muiito bonitos eu gostei de todos principalmente este , eu até copiei uma frase do seu blog ... '' Ser feliz não é ter uma vida perfeita '' gostei muiito Beeeijos to te seguindo sempre ♥

    ResponderExcluir